Image Map

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Curitiba, a “capital ecológica”, mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original

Olá pessoal,

Há vários anos escutamos a Prefeitura de Curitiba designando nossa cidade como a “capital ecológica”, inclusive em seus slogans. Essa propaganda pode até ter se sustentado por um período (muito breve) entre os curitibanos, mas o tempo e as atitudes dos nossos governantes foram nos mostrando a verdade, totalmente ao contrário do que é pregado por eles.



E hoje temos mais uma prova disso, repercutida em uma matéria do jornal Gazeta do Povo, publicada no mês de novembro. A reportagem mostra uma triste realidade, que chegou a nos deixar de “estômago embrulhado”: Curitiba mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original e seu desempenho é o pior entre as capitais. Esses e outros dados fazem parte do Atlas de Remanescentes Municipais, divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica. Confiram a notícia na íntegra: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/curitiba-tem-so-1-de-sua-mata-atlantica-original-a-pior-situacao-entre-capitais-7v3di08mebfq5lnbizekbaomm

E agora Prefeitura, diante de um dado como alarmante como esse, vocês ainda acham possível continuar sustentando essa mentira a respeito de Curitiba? Até quando vocês pensam que vão continuar enganando cidadãos curitibanos, brasileiros e até estrangeiros? Chega de tanta hipocrisia!

E o que é pior: já temos tão poucas árvores (que por enquanto estão salvas de tamanha crueldade e ignorância), e vocês diariamente cortam a maltratam as que ainda restam. São tantas histórias, tantas denúncias, que sentimos medo pelo futuro das próximas gerações. 

Porque se a situação continuar dessa forma, e a tendência é de que continue, vai faltar oxigênio para respirar. Aí será questão de vida ou morte. Nesse caso com certeza a segunda opção. Mas parece que nossos governantes não percebem isso, algo chamado o dinheiro os cegou. E quem paga somos nós e elas, as árvores, tão indefesas e ao mesmo tempo tão necessárias para nossa sobrevivência.

Até logo. 






Nenhum comentário :

Postar um comentário