Image Map

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Denúncia de duas crueldades com árvores em Curitiba

Olá pessoal,

Uma moradora de Curitiba, chamada Rosilene, entrou em contato com o Vândalo Verde para realizar duas denúncias de crueldade com árvores, ambas situadas no bairro Campo Comprido.

A primeira delas trata-se de um alargamento de rua, em frente a um terreno na Rua Ângelo Bom, que está indo de encontro direto a uma grande árvore. No dia 01 de dezembro Rosilene estava passando pelo local quando percebeu que um pequeno trator não estava somente alargando a via, mas também estava deixando a árvore ilhada no barranco, de forma que a qualquer momento ela pode cair e morrer.

Ela contou que os trabalhadores não estavam uniformizados e, portanto, não pareciam funcionários da Prefeitura de Curitiba, mas sim contratados do proprietário do terreno. “Não sei se a pessoa tem autorização para o que está fazendo. A árvore em questão é um tipo de pinheiro muito grande, não é uma Araucária, mas se continuarem o trabalho, logo adiante existem duas Araucárias que já estão no limite do terreno, fruto de um alargamento anterior da rua”, contou. O que podemos presumir? Que se este alargamento de rua continuar, estas duas Araucárias não irão sobreviver!


Mesmo alertados sobre uma provável queda e morte da árvore, os homens continuaram com o trabalho. A árvore está na seguinte situação:



A segunda denúncia é a respeito da morte iminente de uma Araucária, em função da crueldade de alguém. A árvore está situada em uma calçada na Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, próxima a uma pequena favela na região.  “Desde o dia 30 de novembro,  a casca desta Araucária, adulta e bem desenvolvida,  vem sendo retirada. Com certeza a intenção é matá-la. Não sei quem está fazendo isso e nem o motivo”, contou.   

Pela foto vocês podem ver o estado em que se encontra a Araucária:




Rosilene conta que não realizou as denúncias pela central 156 da Prefeitura de Curitiba porque todas as suas tentativas anteriores foram frustradas e nada foi resolvido. Mais uma vez questionamos: será que as pessoas se esqueceram que as árvores são seres vivos iguais (e muitas vezes melhores!) a nós? Qualquer motivo banal leva a morte de uma árvore? E o caso desta Araucária, que está em uma calçada sem “atrapalhar” ninguém?

Atenção Prefeitura de Curitiba. Por favor, prestem atenção ao Meio Ambiente, comecem a cuidar das nossas árvores, antes que seja tarde demais! 

Até logo! 


terça-feira, 18 de novembro de 2014

Diga não ao corte de árvores sadias, mas a Prefeitura de Curitiba diz sim!

Olá pessoal,

Vocês já ouviram falar sobre árvores invasoras? Este é um tema polêmico, que vamos abordar no post de hoje. Resumindo: milhares de árvores estão sendo cortadas pela Prefeitura de Curitiba por estarem fora de sua área natural. Nossa opinião é que antes disso deveria haver outras ações, porém nossos representantes vão pelo caminho mais fácil, e não pelo correto!

Uma leitora do Vândalo Verde nos enviou uma matéria do jornal Gazeta do Povo a respeito de árvores de espécies consideradas invasoras e os cortes que são realizados pela Prefeitura de Curitiba. Para quem não leu a matéria, segue o link:

Mas quando uma espécie é considerada “invasora”? De acordo com matéria do jornal Bem Paraná, “são consideradas espécies exóticas aquelas que estão fora de sua área de distribuição natural. Algumas delas, chamadas de invasoras, têm capacidade de se proliferar e ocupar o lugar das espécies nativas, podendo até mesmo causar a sua extinção”. Na mesma matéria, a bióloga doutora em Ecologia, Raquel Negrelle, aponta que “as espécies exóticas invasoras são consideradas a segunda maior ameaça mundial à biodiversidade”.

Entre as espécies de invasoras mais encontradas nos parques e bosques de Curitiba, por exemplo, estão a alfeneiro, amarelinho, amoreira-preta, casuarina, cinamomo, eucalipto, nespereira, pau-incenso, pinus e uva-do-japão.

Mas porque cortar uma árvore que está saudável? Esta é a pergunta e muitas vezes indignação de muitas pessoas, como da nossa leitora que nos enviou a reportagem. De acordo com a bióloga Raquel Negrelle, na reportagem da Gazeta do Povo, “as pessoas não entendem o motivo da retirada de uma planta saudável. Difícil dizer para a população que aquela árvore cheia de frutinhas, como a amora preta, deve ser cortada. Ela destaca que ações de educação ambiental podem esclarecer a importância de preservar o ambiente para as espécies nativas, explicando os danos causados pelas invasoras”.

Concordamos com a bióloga, porém antes de entrar nesta questão das árvores invasoras com a população, acreditamos que a educação e preservação ambiental venham em primeiro lugar! Tantas árvores já são cortadas desnecessariamente em nossa cidade, que se a “moda” das invasoras pega por meio destas ações, por exemplo, a situação ainda pode piorar! Melhor começar pela preservação do que pelo corte, não é mesmo?

Corte e replantio

Ainda de acordo com a matéria da Gazeta do Povo, a Prefeitura de Curitiba corta mais de 1,5 mil a 2 mil árvores invasoras por ano em Curitiba. Mas há uma lei que diz que quando uma invasora é cortada, deve haver o plantio de duas árvores de 1,5 metros.

Mas a nossa dúvida é: será que somente as invasoras é que são cortadas? E as denúncias de tantas outras espécies que recebemos? Nosso receio é que esteja havendo cortes indiscriminados pela Prefeitura, realizados por qualquer motivo.


Outra questão é o replantio de árvores. Em uma denúncia anterior, realizada por um morador do bairro Boa Vista, ele nos contou que uma tipuana sadia, de aproximadamente 40 anos, que ficava próxima a sua casa, foi cortada sem motivo e em seu lugar houve a substituição por uma árvore pequena, que nunca conseguirá retornar ao ambiente os benefícios que a anterior trazia.

Aqui estão as fotos, dá para acreditar nisso? 



Nossa conclusão é a de que as invasoras podem ser cortadas, pelos motivos que mencionamos acima. Porém, deve haver estudos e critérios minuciosos a este respeito, para não haver morte de árvores saudáveis que não prejudicam em nada, aliás, só nos beneficiam. E também deve haver bom senso na hora do replantio. De nada adianta substituir uma grande árvore, que traz sombra e ar fresco, por um “arbusto”!

Se alguém souber de um caso assim, seja positivo ou negativo, conte para a gente. Até a próxima!

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Mais de setenta árvores foram derrubadas em chácara no Boa Vista

Olá pessoal,

É com muita tristeza que anunciamos o corte de aproximadamente 70 árvores, entre elas Araucárias e Pinus, em uma chácara na região do Boa Vista, em Curitiba. A denúncia foi realizada por um morador do bairro em questão, chamado Thiago. Ele contou que reside no Boa Vista há doze anos e sempre apreciou a paisagem da chácara, que é muito arborizada e cheia de pássaros, que vivem e se reproduzem lá. “Há uma semana saí para trabalhar de bicicleta como de costume e estava tudo normal. Quando voltei, no final da tarde, percebi que havia muitas árvores cortadas e já não havia ninguém no local. A primeira coisa que fiz foi entrar em contato com o Vândalo Verde, pois fiquei extremamente triste e indignado com a situação”.

A seguir vocês podem conferir algumas fotos de antes dos cortes e como de está ficando o local:










Thiago acredita que os cortes foram realizados por profissionais, já que as árvores foram cortadas em medidas que podem ser aproveitadas. “Minha suspeita é que as árvores tenham sido mortas para comercialização mesmo, o que é um absurdo”. Ele contou que todos os dias, quando saía e voltava do trabalho, contemplava o local, que possuía muito verde. “Agora quebrou o encanto, a rua está triste”.

De acordo com o morador, além das árvores, muitos ninhos de pássaros também foram ao chão, pois ali era um local onde muitos habitavam, inclusive tucanos que se reproduziam e faziam seus ninhos. “Além de mim há muitos moradores indignados e sem entender o que aconteceu. Estou tentando descobrir o motivo, mas até o momento não sei quem fez esta crueldade sem tamanho”.

O Vândalo Verde pergunta: e teria um motivo para isso? Segundo Thiago, no local não há possibilidade de se construir nada, inclusive dentro da chácara há um fundo de vale, onde não permissão para construções. E mesmo que houvesse, dentro de um lote tão grande, não haveria espaço?

Outra questão seria a permissão para esta atrocidade. Os órgãos competentes, como a Prefeitura de Curitiba, por exemplo, teria permitido este crime ambiental? Sim, porque cortar Araucárias é crime, já que a espécie é protegida por lei!

E, mesmo que houvesse uma permissão (com quais argumentos?), não há sentido exterminar tantas árvores. Ainda mais na época em que vivemos, em que estados como São Paulo, por exemplo, padecem com a seca,  devido a muitas atitudes como esta.
Nós do Vândalo Verde realizamos denúncia na Prefeitura Municipal de Curitiba, que gerou o seguinte protocolo: 000304935i

Temos urgência em um retorno, antes que os cortes continuem. Ainda há muitas árvores vivas no local e tempo de impedir mais devastação. Pedimos encarecidamente: Prefeitura de Curitiba, nos ajude!

É com muito pesar que terminamos este post. Pedimos que continuem fazendo suas denúncias para que possamos ajudar o meio ambiente de alguma forma.

Até logo.




terça-feira, 14 de outubro de 2014

Florestas de São Paulo estão queimando. Já passou da hora de acordar!


Olá pessoal,

Acreditamos que vocês estão acompanhando as notícias sobre a tragédia ambiental que está ocorrendo em São Paulo, certo? No dia de ontem (13), considerado o mais quente deste mês no Estado, os bombeiros foram chamados diversas vezes - mais precisamente um chamado a respeito de incêndios em matas a cada 8,5 minutos - de acordo com o site G1. As principais queimadas estão acontecendo na Serra da Cantareira e em outras matas da região norte de São Paulo.

Ainda de acordo com matéria do G1, “desde junho, foram registradas 393 ocorrências deste tipo... E, em todo o estado, nos últimos quatro meses, a área de vegetação destruída corresponde a 32 mil campos de futebol”. Dá para imaginar a dimensão da tragédia para um estado que já destruiu tantas florestas e que agora literalmente queima porque as chuvas não chegam em decorrência deste progresso desenfreado?

Fizemos um post a respeito da relação entre a devastação da Mata Atlântica, em São Paulo, e a consequente seca que está ocorrendo no local. Para quem não leu, segue o link: http://www.vandaloverde.com.br/2014/09/sera-que-ainda-da-tempo.html

Pelo que podemos ver, a situação só piora. Mas ao mesmo tempo só observamos ações isoladas no que diz respeito à preservação do meio ambiente, na tentativa de pelo menos frear a situação. Acreditamos que já passou da hora de os nossos governantes acordarem para o fato de que, se nada for feito, enfrentaremos momentos difíceis em um futuro muito próximo.

E os nossos representantes, do Paraná e Curitiba, poderiam tomar como exemplo o que está acontecendo em São Paulo e pararem de autorizar cortes de árvores desnecessariamente. Mais do que isso, seria muito interessante se criassem ações de incentivo ao meio ambiente!


Nós, cidadãos, também temos um papel importante. Devemos nos conscientizar de que não adianta só cobrar do Estado, se não fizermos a nossa parte em relação à preservação ambiental. Por um mundo mais verde, pelo bem das futuras gerações! 

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Propostas do governador Beto Richa, reeleito no Paraná, para o meio ambiente. Será que serão cumpridas?

Olá pessoal,

O governador Beto Richa, reeleito no Paraná, concedeu uma entrevista antes das eleições ao jornal Gazeta do Povo, a respeito de suas propostas em relação ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável no Estado. Entre estas propostas estão a recomposição da cobertura florestal no Paraná, que está em quarto lugar em desmatamento entre os dezessete estados com Mata Atlântica. Quarto lugar? Um estado que tem como a capital Curitiba, conhecida como “capital ecológica”?

Outro dado interessante da entrevista é que a reportagem cita que o Paraná ainda não tem ZEE – Zoneamento Ecológico Econômico que, segundo o dicionário ambiental “oeco”, “tem como objetivo viabilizar o desenvolvimento sustentável a partir da compatibilização do desenvolvimento socioeconômico com a conservação ambiental”. Ou seja, talvez seja por isso que tantas árvores são derrubadas por motivos banais em nossa cidade e em nosso estado. Não há organização a este respeito ainda! Mas, de acordo com o governador reeleito, o litoral já possui o ZEE e já estão iniciando audiências públicas em outras regiões do Paraná para dar início ao documento.

Será que as propostas serão realmente cumpridas? Vamos acompanhar!



Para quem não leu a entrevista do jornal Gazeta do Povo, segue abaixo:

Perguntas:
1) Segundo dados do Inpe e SOS Mata Atlântica, dos 17 estados com Mata Atlântica, o Paraná atualmente é o quarto em desmatamento. Considerando a necessidade de se proteger os remanescentes e recuperar áreas, o candidato tem propostas para a cobertura florestal do estado?

2) Qual o posicionamento do candidato sobre a abertura da Estrada do Colono, no Parque Nacional do Iguaçu?

3) Considerando que já venceu o prazo para os municípios substituírem lixões por aterros, mas que muitos ainda não conseguiram implantar a medida, o candidato propõe alguma forma de apoio/incentivo para auxiliar no cumprimento da lei da PNRS?

4) Depois de muitos anos de discussões, o Paraná ainda não têm o ZEE. Como tirá-lo efetivamente do papel?

Respostas:
1) O programa Bioclima, do governo do Paraná, conta com ações de recomposição da cobertura florestal, mitigação das mudanças climáticas e compensação financeira dos agricultores que preservam florestas e nascentes.
Outra importante estratégia é a realização do 1º inventário florestal do Paraná. O documento é um levantamento detalhado sobre a qualidade e quantidade das florestas. Estão sendo analisados 550 pontos e os números apontarão a quantidade de espécies nativas, novas espécies e possíveis espécies ameaçadas de extinção. O Paraná entra agora na segunda das três fases. O documento será concluído no final de 2015.

2) A questão da Estrada do Colono não pode ficar circunscrita ao Paraná e nenhum governador vai determinar a abertura ou não da estrada. Este é um assunto de interesse do País, discutido no Congresso Nacional, pois o caminho fica dentro do Parque Nacional do Iguaçu. Temos ouvido ponderações contrárias e favoráveis a abertura da estrada. Cada lado apresenta argumentos sólidos na defesa de seus interesses e pontos de vista. O fato é que a estrada está fechada por decisão da Justiça Federal, a pedido do Ibama. No mês passado, a Justiça Federal iniciou uma nova perícia no trecho entre Capanema e Serranópolis do Iguaçu. O trabalho deve ficar pronto até o final deste ano e certamente vai trazer novos subsídios para que possamos debater o tema a partir de um relatório técnico.

3) Nosso governo está auxiliando os municípios para o cumprimento da Lei 12.305/10 - que trata da política Nacional de Resíduos Sólidos. A principal alternativa das 214 cidades que ainda tem lixões é a formação de consórcios intermunicipais para o gerenciamento do lixo. Estamos liberando U$ 130 milhões, via Agencia Francesa de Desenvolvimento e Fomento Paraná, para construção de aterros, compra de equipamentos, construção de planos regionais de resíduos, recuperação de áreas degradadas por lixão e incentivo à coleta seletiva. Até agora está prevista a formação de 15 consórcios e foram entregues 89 projetos pelos municípios à Secretaria do Meio Ambiente. Isso já representa a solução do problema em mais da metade das cidades onde ainda existem lixões.

4) O Paraná concluiu este ano o ZEE Litoral. A região foi definida como prioritária devido às pressões pelo desenvolvimento e pelo fato de que o Litoral é uma das regiões mais frágeis por ficar praticamente toda dentro de Área de Preservação. Em contrapartida, já está promovendo audiências públicas em outras regiões do Estado para dar início ao ZEE.

Outras propostas:

REDA – Rede Estadual de Direitos dos Animais
Defesa e proteção dos animais, garantindo direito à vida, liberdade e trato digno desses animais. A estrutura terá a participação do Conselho Estadual de Direitos Animais, composto por instituições governamentais e não governamentais; e pelo Fórum de Direitos Animais do Paraná, constituído por representantes do terceiro setor.

Cicloparaná
Implementar a Política de Mobilidade Urbana Sustentável e implantar a cultura da bicicleta no Estado do Paraná: mobilidade urbana por meio de projetos pró-bicicleta; cidadania, saúde e educação no trânsito; Turismo Sustentável no Estado.

Projeto de Fortalecimento da Gestão de Risco e Desastre (FGRD)

Projeto de Modernização do Licenciamento Ambiental
Sete Estações Automáticas de Monitoramento; Equipamentos para Sistema de Informações; Recomposição frota veículos; Medidor de vazão acústico M9;

Registro Público de Emissões de GEE

Inventário Estadual de Gases de Efeito Estufa.


segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Será que ainda dá tempo?


Olá pessoal,

Com certeza vocês viram alguma notícia a respeito da relação entre a seca que atinge o Estado de São Paulo e o desmatamento na Amazônia, não é mesmo? De qualquer forma, vamos explicar o que acontece, de acordo com matéria do programa Fantástico, no site G1:  “A Amazônia bombeia para a atmosfera a umidade que vai se transformar em chuva nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. Quanto maior o desmatamento, menos umidade e, portanto, menos chuva. E sem chuva, os reservatórios ficam vazios e as torneiras, secas”.

A devastação da Mata Atlântica, em São Paulo, faz com que haja a formação de uma massa de ar quente na atmosfera. Esta massa é tão densa que faz com que a chuva que vem da Amazônia por meio dos “rios voadores”, imensas massas de vapor d´água que são levadas por correntes de ar, e são responsáveis por grande parte das chuvas nesta e em outras regiões, seja bloqueada. O resultado disso nós já sabemos.
Observando esta situação e com o objetivo de tentar pelo menos freá-la (porque reverter achamos que não dá mais tempo!), diversas entidades, como a Rede Globo, lançaram campanhas de respeito ao meio ambiente e plantio de árvores em São Paulo. Confiram: http://g1.globo.com/sao-paulo/verdejando/index.html
E a situação em Curitiba, como ficará?

Nós do Vândalo Verde recebemos tantas denúncias de cortes de árvores desnecessariamente, inclusive com autorização da nossa Prefeitura, que tememos que aconteça em Curitiba o mesmo que está ocorrendo em São Paulo.

E será que teremos que passar por isso aqui para então os cidadãos e os nossos representantes entenderem a necessidade de termos árvores perto de nós? Com certeza os motivos políticos e circunstanciais da Prefeitura de Curitiba não nos trará chuvas e nem ar puro para respirarmos. Pelo contrário, dessa forma muito em breve nós, ou os nossos filhos, estaremos vivendo em meio a seca. Já podemos observar uma mudança pelo nosso clima atual: hoje as temperaturas de inverno são bem parecidas com os nossos verões da década de 90, por exemplo. Por isso, pedimos de todo o nosso coração: vamos acordar, pessoal!

Continuem participando do Vândalo Verde com denúncias, notícias e também boas ações ambientais. Porque é disso que estamos precisando!


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Denúncia: escola de Educação Infantil Peixinho Dourado corta Araucária e estaria prestes a derrubar outra

Olá pessoal,

Recebemos uma denúncia, vinda de duas moradoras do bairro Alto da XV, em Curitiba, Ana e Eduarda*.

No dia 23 de agosto elas foram surpreendidas com o corte de uma Araucária que fica em frente a escola de Educação Infantil Peixinho Dourado, situada no mesmo bairro. Segundo elas, diversos moradores da região, vizinhos da escola, tentaram impedir o corte com mobilização e protestos em frente ao local, porém os responsáveis estavam irredutíveis. Apresentaram uma justificativa, de acordo com a vizinhança, nada convincente. Eles teriam um licenciamento, questionável segundo eles, já que se tratava de uma árvore sadia e sem inclinações.

Foto ilustrativa para mostrar a beleza desta espécie!


A Polícia Militar foi chamada, pois o responsável pelo corte ameaçou fisicamente quem protestava e exigia ver os documentos para uso do equipamento. O fato é que a árvore acabou sendo cortada, e mais: a proprietária da escola solicitou o corte de mais uma Araucária, que está aguardando avaliação para os próximos dias.

Gostaríamos de saber: porque uma escola de Educação Infantil, até onde se sabe bastante conceituada em Curitiba, comete uma crueldade dessas em frente a instituição em que diversas crianças estão tendo os seus valores formados? Não seria o caso de se pensar milhares de vezes antes de se cometer este tipo de ato? Uma das senhoras que fez a denúncia ao Vândalo relatou: “Se uma escola acha que derrubar árvores saudáveis é natural imagine como está preparando as crianças para o futuro”. É de se pensar!

Estamos acompanhando o caso e vamos tentar contato com a escola para ver que tipo de resposta teremos. Postamos aqui para vocês assim que (e se) a tivermos!


*os nomes são fictícios para preservar a identidade das denunciantes 

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A luta pelas árvores da UFPR continua!

Olá pessoal,

Na semana passada publicamos aqui uma denúncia realizada pelos alunos do Departamento de Artes - DeArtes, da Universidade Federal do Paraná - UFPR, a respeito do corte de diversas árvores por questões de saúde pública. O que? Pois é, a alegação da universidade é esta. Para quem não acompanhou o post, segue o link: http://www.vandaloverde.com.br/2014/08/corte-de-arvores-por-questoes-de-saude.html

Os alunos fizeram uma campanha pedindo pela preservação destas árvores, por meio de faixas, como podemos ver nas fotos. Porém, no dia seguinte as faixas já haviam sido retiradas e até o momento a notícia é de que as árvores serão mortas cruelmente mesmo, pois há autorização para tal brutalidade. Inclusive, segundo relatos, algumas já foram cortadas ou semi-destruídas.




Mais uma vez vamos pedir: responsáveis da UFPR (lembrando que é uma instituição de ensino e deve dar o exemplo), vocês podem deixar estas árvores vivas e sadias do que jeito que estão? Com certeza não é tão difícil mudar uma cantina improvisada de lugar! Esperamos sinceramente uma resposta positiva. 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Não bastava a poda drástica! Árvores pata-de-vaca foram mortas cruelmente

Olá pessoal,

No dia 21 de julho, recebemos uma denúncia da estudante de Biologia, Sara Ellen, a respeito da poda drástica de diversas árvores da espécie pata-de-vaca, situadas na Rua Nilo Peçanha, em frente ao número 3500. O post é este, para quem não acompanhou: http://www.vandaloverde.com.br/2014/07/arvores-pata-de-vaca-sofrem-poda.html


E hoje recebemos uma nova denúncia da Sara, desta vez com a triste notícia de que todas as árvores foram totalmente cortadas. Como assim, totalmente cortadas? Sim, mortas por pura crueldade não se sabe de quem. Quando recebemos a denúncia, só pudemos pensar no absurdo que isto representa. Como alguém comete um crime ambiental como este e passa impune?



A estudante realizou a denúncia de poda drástica para a central 156 da Prefeitura de Curitiba, com o protocolo 288776i e 5467623, mas nunca obteve resposta. Ela contou que, não somente ela, mas muitas pessoas que passam pelo local ficam chocadas com a cena de desrespeito ao meio ambiente. “Curitiba perde a cada dia mais árvores que são vítmas de podas drásticas, maus-tratos e de mentes ‘neuróticas’ que consideram as árvores como suas ‘inimigas’ porque ‘sujam’ o chão com flores e folhas. As autoridades deveriam punir exemplarmente. Isto é um crime ambiental! Ás árvores regulam o clima, atraem pássaros, ajudam a drenar o solo, nos dão sombra, despoluem o ar, além de outros inúmeros benefícios”, desabafou Sara.

Compartilhamos da opinião dela e também não conseguimos entender tamanha crueldade, tamanho absurdo. E o que dizer da nossa prefeitura, que não se manifestou a respeito e poderia ter salvado estas árvores? Ei, quando vocês que se dizem nossos representantes vão nos respeitar, ouvir o que nós cidadãos queremos? 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Corte de árvores por questões de saúde pública: que desculpa é esta?


O Vândalo Verde recebeu mais uma denúncia de corte de árvores, desta vez vinda de alunos do Departamento de Artes – DeArtes, da Universidade Federal do Paraná – UPFR. Eles contaram que há uma solicitação formal e aprovação para o corte de no mínimo seis árvores de espécies consideradas exóticas, aquelas consideradas “presentes fora de sua área de distribuição”, por isso, de acordo com eles, seu corte indiscriminado.




A justificativa para a morte das árvores, relatada pelo alunos, e confirmada para o Vândalo pela  funcionária da Pró-Reitoria de Administração da UFPR, Luci L O Santos, seriam questões de saúde pública. Mas que “questões” seriam estas? De acordo com os estudantes, seria que as árvores ficam próximas a uma cantina improvisada (que logo sairá do local), e que pássaros fariam suas necessidades ali. A pergunta é: ao invés de mudar logo a cantina de local, é mais fácil cortar as árvores?

Mais uma vez vemos que, para muitos cidadãos, até mesmo para aqueles que deveriam dar o exemplo, como uma universidade, o verde é somente mais um detalhe. Como podem simplesmente matar um ser vivo, que nos traz só benefícios, e ainda alegar que trazem um problema de saúde pública?

Estamos aguardando fotos das árvores e também pedimos que a UFPR se compadeça da situação. Não seria melhor mexer em uma cantina do que ocasionar mortes desnecessárias?

Vamos acompanhando mais este triste caso. 


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Vamos plantar uma árvore? Vândalo Verde apoia ação da SOS Mata Atlântica e lança campanha



Os dados de corte de árvores no Brasil são alarmantes. Somente pela nossa experiência de dois anos com o blog podemos ter uma ideia do número de árvores que são mortas pelo país afora, com ou sem autorização dos órgãos responsáveis. Procuramos por alguma pesquisa que nos mostrasse a dimensão destes cortes e encontramos uma matéria do R7 notícias do ano de 2012 que conta que, somente na cidade de São Paulo, 14 árvores foram mortas por dia nos últimos 14 anos com autorização da prefeitura, totalizando 72514 exemplares. Isto que os desmatamentos ilegais não estão computados. Agora vamos pensar em todas as nossas cidades: quantas árvores perdemos diariamente?

Apesar destes números que nos preocupam e entristecem, algumas ações merecem destaque e o nosso apoio. Com o objetivo de recuperar a Mata Atlântica, a ONG SOS Mata Atlântica criou recentemente o “Cartão Árvore”, ação em que a plantará uma muda de árvore a cada cartão adquirido pelos participantes pelo valor de R$25. Além disso, o participante planta uma árvore virtual, cria uma floresta pessoal e assim consegue acompanhar pelo site o plantio real da sua árvore! O “Cartão Árvore” também dá direito a um sorteio no valor de R$10 mil pela Loteria Federal. Achamos muito interessante a ação! Para quem quiser saber mais e participar, pode acessar o site: http://www.sosma.org.br/participe/adquira-um-cartao-arvore/

O Vândalo Verde convoca a todos para o plantio de árvores

Inspirados pela ação da SOS Mata Atlântica resolvemos lançar uma campanha: vamos plantar uma árvore? Convocamos a todos os seguidores do blog e do Facebook a plantarem mudas de árvores em áreas urbanas, fotografarem e mandaram para a gente. As dez fotos mais criativas serão publicadas aqui e na nossa mídia social e os participantes ganharão uma camiseta do Vândalo Verde. As imagens acompanhadas da descrição do local do plantio e da espécie de árvore escolhida podem ser enviadas pelo e-mail vandaloverde@gmail.com


Contamos com a participação de todos! Vamos tornar o mundo mais verde?

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Árvores pata-de-vaca sofrem poda drástica

Olá pessoal,

Recebemos mais uma denúncia de poda drástica de árvores. A estudante de Biologia, Sara Ellen, contou que o crime ambiental ocorreu em Curitiba, na Rua Nilo Peçanha, em frente ao número 3500. Diversas árvores nativas da espécie pata-de-vaca, que embelezavam a via pública, de um dia para o outro ficaram totalmente sem folhas, com seus galhos quebrados.


As árvores antes da poda 


 Após a poda, com todos os galhos cortados


A estudante contou que passa frequentemente pelo local e encontrou as árvores já cortadas, portanto não sabe dizer quem cometeu este crime. Ela viu alguns estrangeiros que foram à Fan Fest durante a Copa do Mundo revoltados com a situação. Esta foi a impressão da “Cidade Ecológica” que eles tiveram e que vão levar pelo mundo!

Sara fez uma reclamação na Prefeitura de Curitiba, por meio do telefone 156, e recebeu a resposta de que a situação seria averiguada e uma resposta dada. A denúncia tem o seguinte protocolo: 14005339.

Vamos aguardar a resposta da nossa Prefeitura, que deixou passar este crime ambiental sem verificar antes o que estava acontecendo. Agora as árvores já sofreram a poda drástica e muito provavelmente irão morrer.

Para quem quiser saber mais sobre as consequências da poda drástica para as árvores, fizemos este post sobre o assunto em 2012: http://www.vandaloverde.com.br/2012/07/denuncia-do-vandalo-verde.html

O leite já derramou! E agora? 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Depois de um ano de luta, finalmente o Parque Gomm vai existir!

E precisava de todo este tempo e esforço para a preservação do nosso verde? Esta foi uma questão levantada por nós do Vândalo Verde a um dos articuladores da luta para transformar o Bosque Gomm em Parque Gomm, agora considerado uma unidade de conservação, Luca Rischbieter. E ele, assim como nós, acha que não!

“Os órgãos governamentais não estão mais acostumados a criar ações, não possuem o hábito de intervir proativamente em questões tão necessárias, como a preservação do verde, por exemplo. Foi preciso esta série de encontros e mobilização de tanta gente para conseguirmos ter voz e finalmente intervirmos a favor do Bosque Gomm. As leis existem, mas precisamos que o poder público atue mais e não fique esperando as coisas tomarem tamanha proporção para tomarem uma atitude.”


Para quem não acompanhou a luta pela criação do Parque Gomm pode entrar na página do Facebook “Salvemos o Bosque da Casa Gomm”, onde estão várias informações sobre a causa. 
Resumindo: há um ano iniciou-se um movimento que acabou impedindo uma obra viária  que fazia parte do projeto inicial de implantação do shopping Pátio Batel e que cortava o Bosque Gomm ao meio, devastando inúmeras árvores. 



*as imagens são da página do Facebook "Salvemos o Bosque da Casa Gomm"

Este movimento mobilizou pessoas de todas as tribos e classe sociais que utilizam o espaço verde para seus momentos de descanso e lazer. Foram realizados diversos eventos no local e também reivindicações pelo Facebook, até que a causa foi tomando forma. Assim, por meio de toda esta pressão, por assim dizer, a Prefeitura de Curitiba resolveu poupar o espaço da especulação imobiliária.

Mais uma vez a gente pergunta: é necessário tudo isso, todo este esforço da população, todas essas horas devotadas pelos cidadãos para a Prefeitura de Curitiba entender o recado de que queremos mais verde? É tão fácil cortarem uma árvore e tão moroso preservá-la? O que está faltando na Prefeitura de Curitiba para entender o que o povo quer? Será que para cada passo temos que ter um esforço de um gigante? Não, com certeza não tinha que ser assim. Há algo muito errado aí!

Mas, de qualquer forma, terminamos este post com o alívio em saber que tantas árvores e área verde da cidade foram poupadas por meio do esforço de tantos cidadãos. Bom saber que existe muita gente com a filosofia do Vândalo Verde! E vamos em frente!

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Amendoeira é morta por pura crueldade

O Vândalo Verde recebeu mais uma denúncia de corte de árvore: uma linda e frondosa amendoeira, morta por pura crueldade! Quem enviou a denúncia foi uma moradora de Salvador – Bahia, chamada Mariana *.

Amendoeira seis meses antes do corte

A árvore depois da maldade que causou sua morte


Ela contou que uma vizinha chamou um morador de rua e pagou a ele para cortar uma árvore que fica em frente ao condomínio em que moram. E o motivo? Segundo a Mariana, somente maldade, já que os fios de eletricidade ficam do outro lado da rua e não haveria outra razão para este corte.

Mariana, que ficou indignada com esta situação, entrou em contato com todos os órgãos que se dizem responsáveis pela questão ambiental (não especificou quais na mensagem encaminhada ao Vândalo), porém sem sucesso.

Mais uma vez nos deparamos com estas situações de descaso dos órgãos que se dizem “responsáveis” pela preservação das árvores e do meio ambiente. Se não podemos recorrer a eles, o que fazer então?

Vamos continuar a nossa prestação de serviço, publicando notícias, denúncias e alertando a população. Contamos com a participação de todos. Assim, de “grão em grão”, vamos fazendo a nossa parte e tentando colaborar para que eles façam a deles!

Obrigado Mariana, fica aqui o seu protesto!

Outras práticas comuns contra o meio ambiente

O Vândalo Verde publicou um post no ano de 2012 a respeito de podas drásticas que, assim o corte, também podem causar a morte de árvores. Para quem não acompanhou, segue o link:  http://www.vandaloverde.com.br/2012/07/denuncia-do-vandalo-verde.html

A pergunta é: porque um ser humano comete este tipo de crueldade? Fica nossa pergunta e indignação.

*o nome da denunciante é fictício, para preservar sua identidade.






PUCPR prometeu não cortar o pinheiro!

Por meio de nota da assessoria de imprensa da PUCPR que se encontra abaixo, conseguimos uma promessa da universidade de não cortar o pinheiro que se encontra em um terreno de sua propriedade no bairro Rebouças. Na última sexta-feira, recebemos uma denúncia de possível corte, e agora temos a notícia de que a árvore será preservada! O Vândalo está muito contente com esta notícia! 
Confiram o post: http://www.vandaloverde.com.br/2014/07/vamos-evitar-o-corte-desnecessario-de.html

Já a Prefeitura de Curitiba ainda não se manifestou a respeito, e se a árvore já tivesse sido cortada, como seria? O que esperamos é que haja mais agilidade do município na questão ambiental. Com certeza muitos crimes contra árvores seriam evitados!

Nota à imprensa
A PUCPR informa que preservará o pinheiro localizado à Rua Rockfeller, 1325 – Rebouças. Esta decisão baseia-se em respeito à árvore símbolo do Paraná e à Lei Florestal do Estado.
A Universidade ressalta ainda que, caso sejam realizadas obras no local, todas as medidas serão tomadas para que a árvore seja preservada.




sexta-feira, 4 de julho de 2014

Vamos evitar o corte desnecessário de um pinheiro em terreno da PUC-PR

O Vândalo Verde acaba de receber uma denúncia realizada pelo Sr. Nelson, morador do bairro Rebouças. Ao lado da sua casa há um terreno que pertence a PUC-PR, onde há um bosque com diversas árvores e entre elas um pinheiro, que está sendo ameaçado de corte a algumas semanas. O terreno está localizado na Rua Rockfeller, 1325 – Rebouças.


Vista aérea 



Aqui se vê o terreno

o Pinheiro ameaçado de corte 


O Sr. Nelson contou que alguns empreiteiros já foram ao local, provavelmente para fazer orçamento de alguma construção, que ele imagina ser um estacionamento, e todos eles quando perguntados responderam que todo o terreno será limpo e o pinheiro cortado. Ele contou também que metade das árvores do imóvel já foram cortadas e possui esta informação porque é ele quem cuida deste terreno que estava abandonado para evitar entrada de ladrões, etc, e um dos cortes causou uma queda de árvore em cima de sua casa.

Já foi realizada uma denúncia na Prefeitura de Curitiba, por meio do telefone 156, e o protocolo é 54633743. O receio do Sr. Nelson é de que quando o município for avaliar a questão o pinheiro já esteja morto. Por isso fez a denúncia aqui no Vândalo Verde. Vamos fazer a nossa parte aqui e no Facebook para chamar a atenção dos órgãos ambientais, para que avaliem a questão.

Sabemos que o corte de pinheiros sem autorização configura-se como crime ambiental, ocasionando multas e até prisão. Será que a PUC-PR está autorizada a realizar este corte? E por quais motivos haveria esta autorização, já que a árvore está sadia e não apresenta perigo algum?

Vamos esperar uma resposta e a solução deste caso!

domingo, 22 de junho de 2014

Guardiões das Árvores



Esse é o título da matéria publicada hoje na Gazeta do Povo.

Ficamos felizes por receber novo reconhecimento de nossas ações e de outros belos exemplos de respeito à Natureza.

A Jornalista Eloá Cruz cita em sua matéria nossas ações e de outros que visam à preservação de áreas verdes e o incremento da conscientização em prol do meio ambiente.
Vejam a reportagem na integra:

Histórias de cidadãos que lutam pela preservação de árvores são testemunhos das mudanças de cada região de Curitiba

terça-feira, 13 de maio de 2014

Salve uma árvore em Curitiba, parte II



Pouco tempo atrás publicamos sobre uma árvore que corria risco de ser cortada em Curitiba, mas que poderia ser protegida através de uma petição. Registramos agora a continuação do caso:

Nossa batalha não foi ganha, mas podemos contabilizar um ponto positivo; poupamos o Plátano de ser derrubado, mas ele foi podado rebaixando sua copa em mais ou menos 10 metros, ele continua vivo até o dia que outra autoridade achar que ele esta atrapalhando.
Guardem bem esse nome "HOMERO NEREU DE ALMEIDA" a sua assinatura é que facilitou o Processo de Corte do Plátano junto ao orgãos responsáveis.

Conheçam mais um pouco o Sr. Homero N. de Almeida em:
http://wikipoliticos.com.br/f/homero-nereu-de-almeida/financiamento2012.

Pessoas assim se dizem a favor do povo, então espero não encontrar ninguém que seja contra nós!!!

Obrigado a todos que assinaram a petição!

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Uma porteira deslumbrante

Nas andadas do Vândalo Verde, encontramos a porteira mais tendência nas decorações. Pode não ser capa da Casa Vogue, longe da Casa Cor e nem passar pela cabeça de Camila Matarazzo, mas a ideia é fora do comum e integra a natureza da melhor forma possível: se harmonizando com ela.

A paineira cor de rosa, toda florida, fica na Rodovia 331 de São Paulo. Se você passar por lá, tire um momento para apreciar e mande sua foto para nós!


sexta-feira, 25 de abril de 2014

Lar das Serigueiras


Um dos poucos remanescentes verdes de Piracicaba, a Praça da Boyes, que tem mix de espécies, é tema da série Bolsões Verdes! Esta é a 2ª reportagem da série “Bolsões Verdes” e que contou com a participação do gestor ambiental Rafael Jó Girão, da ONG Florespi. 


Fonte: Árvores de Piracicaba 

terça-feira, 22 de abril de 2014

Salve uma árvore em Curitiba


Um abaixo assinado tenta salvar um Plátano de mais de 100 anos de idade, localizado no Bairro Água Verde. O documento será entregue para a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e outros departamentos responsáveis pela flora da cidade. 

O texto a seguir é o pedido feito através desta ação, de preservar uma herança ecológica:

"A todas as autoridades citadas no abaixo assinado, peço como cidadão natural desta capital e morador a mais de 50 anos, que levem em consideração o respeito a natureza e não autorizem o corte de um Plátano de mais de 100 anos de idade que está nos presenteando com sua presença, com sua sombra maravilhosa nos dias quentes de verão, como uma ilha de proteção de milhares de pássaros que fazem de seus galhos um lugar para seu pouso e descanso. Sendo a maior arvore da região, ela tem seu frondoso perfil visto a muitas centenas de metros de distancia. Peço que pensem nos seus filhos que herdaram essa cidade dita como cidade ecológica, que só será realmente ecológica quando as autoridades responsáveis exercerem o mais despretensioso dos direitos, que é a direito de vivermos junto da natureza apenas aproveitando o que ela nos oferece sem nos pedir muito em troca, apenas respeito."

Para participar basta acessar o abaixo assinado online e preencher os dados à direita.
Já são mais de 1600 participantes, contribua também!