Image Map

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

6º Piquenique dos Sabiás no Parque Gomm!



No próximo domingo, dia 15, das 9h00 às 15h00 acontecerá o 6º Piquenique dos Sabiás no Parque Gomm.

Nesta edição, dedicada ao Natal, acontecerá mais uma vez a troca de brinquedos.

Traga crianças, cães, bolas, toalhas, cantorias, violões, flautas, se fizer Sol, guarda-sol e protetor solar. Traga brinquedos e outras coisas da casa, para trocar com outros(as) curitibanos(as) (e suas versões em miniatura) como você. 

Local: Parque Gomm. Entrada pela Bruno Filgueira, 850 ou pela Hermes Fontes, fundos/estacionamento do Shopping Pátio Batel.




quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Dia da Árvore macabro em Curitiba

Post feito pelo blog Árvores para Sempre.

No dia 21 de Setembro deste ano, o Dia da Árvore e início da primavera quando, caminhando por uma das principais avenidas de Curitiba, a República Argentina (no bairro Água Verde), ali pelo número 1215 me deparo com a seguinte cena "macabra", que vocês podem visualizar nas fotos abaixo:




As imagens "falam" por si mesmas, mas caso alguém não consiga visualizá-las, trata-se de uma cena cada vez mais comum em Curitiba (e sei que, infelizmente, em muitas cidades brasileiras), que é a "poda drástica" de árvores, justamente quando elas estão mais frondosas, floridas, lindas, como foi este caso ocorrido na Auto-Escola das fotos acima. Ironicamente esta violência aconteceu justamente na data em que, simbolicamente, temos que lembrar da importância, cada vez maior, da preservação das árvores em nossas cidades tão áridas.
Vemos às dezenas estas cenas por diversas ruas da cidade, principalmente em bairros um pouco mais distantes do centro (que não é o caso acima, ocorrido em local de grande movimento), talvez pela baixa fiscalização. O cidadão simplesmente se acha "no direito" de privar as outras pessoas de uma agradável sombra na calçada da via pública, de privar os pássaros de suas moradias e de sua alimentação... enfim, nos privam de belíssimos espetáculos da natureza, relegando apenas esqueletos secos e horrendos, verdadeiros filmes de terror.
O pior de tudo é que nossa população em geral parece cada vez mais indiferente a tudo isto. Pessoas insensíveis e ignorantes talvez achem "certo" fazer isso. No caso das fotos acima, era caso dos alunos se recusarem a permanecer matriculados nesta instituição de ensino para o trânsito, por não aguentarem um visual tão macabro, justamente na pista de aulas, onde estas árvores inclusive propiciavam uma boa sombra e maior conforto aos candidatos a carteira de motorista!
Os "podadores drásticos" podem alegar que as árvores causam "sujeira", com as folhas que caem no chão. Pois eu digo que isso é natural e degrada-se com o tempo, além de alimentar a terra. Sujeira de verdade são as garrafas de plástico, latas de alumínio, papéis,etc. que o ser humano joga das janelas dos carros e ônibus nas ruas, nos terrenos baldios, etc. Esta sujeira nunca se degrada. E ninguém parece se importar com nossas cidades cada vez mais emporcalhadas!
É sabido que, após certa idade, fica cada vez mais difícil para a árvore se recuperar de uma poda drástica. Se fossem feitas podas sob supervisão técnica, eliminando-se galhos maiores e mais perigosos, que possam atingir fios de eletricidade, etc. é aceitável. Mas deliberadamente deixá-la sem folhas para respirar é maldade pura e certeira.
Enfim... estes fatos me entristecem cada vez mais. A impressão que temos é que as árvores estão mesmo perdendo em Curitiba, outrora "cidade modelo" em preservação ambiental e arborização, hoje não mais. Quando não são cortadas para construírem shoppings, concessionárias de veículos, etc., elas têm todos os galhos sacrificados ou mesmo quando são mudas recém plantadas pela prefeitura, são quebradas por vândalos (ou serão os mesmos que as odeiam quando grandes?).
Em época de mudanças climáticas, quando o conhecimento humano chegou a níveis tão avançados e a informação está ao alcance de todos, a impressão que fica é que a população brasileira só prioriza fazer compras, andar de carro, ganhar dinheiro e nada mais, importando-se quase nada com suas cidades, que vão ficando abandonadas, cheias de lixo, sem árvores, sem vida; enquanto essas pessoas refugiam-se dentro das prisões dos condomínios ou shoppings, adornados com arbustos baixinhos, horríveis, sem função ambiental nenhuma; enfim, sem conteúdo algum, como essas pessoas são, essa é a verdade!

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Concessionária corta árvores no Boa Vista


Há pouco tempo, escrevemos sobre uma concessionária no bairro Boa Vista que cortou totalmente dois Ipês. Sem nenhuma justificativa social que fosse plausível, o único motivo aparente era o de que as árvores atrapalhavam a visibilidade de sua placa.

Acha uma atitude justa?

Como se não bastasse, esta mesma concessionária agora usa dos restos mortais da natureza que destruíram para promover suas vendas.

O tronco que sobrou da frondosa árvore, se tornou suporte para pneu.






Até quando a natureza ficará em segundo plano?



quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Embaúba, uma árvore que cresce muito rápido, alimenta a fauna e é ótima no paisagismo

Encontramos um relato e dica do Ricardo Cardim, no blog Arvores de São Paulo que é muito interessante, por isso o reproduzimos em completo aqui:
Há exatamente um ano destampei o quintal de cimento de uma casa da década de 1940 e formei um pequeno canteiro para permeabilizar a área e torná-la mais agradável. Porém não havia tempo para esperar a tão necessária sombra e enverdecimento do local, já que começava a ficar insuportável o aumento da temperatura em novembro.
O desafio era achar uma espécie boa para espaços pequenos, com raízes profundas, que crescesse rápido e fosse nativa na vegetação original da cidade de São Paulo. Observando os trechos de Mata Atlântica sobreviventes na metrópole vi que a embaúba (Cecropia sp.) parecia atender as expectativas.
Comprei uma franzina muda de embaúba com 1,50 m e a plantei com um substrato rico em nutrientes. O resultado foi impressionante. Depois de 12 meses, a muda virou uma imponente árvore, com quase 6 metros de altura e uma ampla copa de 4 metros de diâmetro, repleta de seus frutos em forma de “mãozinhas” que atraem diversas espécies como abelhas indígenas.
A embaúba, uma espécie pioneira, pode ser ótima solução em locais ensolarados ou com meia-sombra onde precisa-se de rápidos resultados, mas tem uma vida curta (25 anos) e deve ser acompanhada de outras espécies mais longevas para um projeto mais durável. No quintal, um araçá-da-mata (Psidium cattleianum) a acompanha bem próximo, mas somente agora chegou nos 2 metros de altura. Comparando, a embaúba cresceu em um ano mais de 5 metros e o araçá somente 0,5 metro nas mesmas condições.
Quintal recém destampado em novembro de 2012, permitindo a terra receber sol depois de 70 anos impermeabilizada.
A embaúba em dezembro de 2012, um mês depois de plantada, já com as folhas mais vigorosas. No seu lado esquerdo, a muda de folhas menores é o araçá.

A mesma embaúba em novembro desse ano, com ampla copa e muita sombra e vida para o local.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Encontro Cívico de Ocupação Parque do Gomm


Há algum tempo tem sido debatida a preservação de uma área ambiental pública, localizada no bairro Batel. No entanto, há um projeto aguardando a aprovação da Prefeitura de Curitiba, para que este espaço seja transformado em rua. Esta, seria uma solução para o trânsito causado na região após a construção de um shopping de luxo.
No último fim de semana, um grupo de pessoas conscientes se reuniu em uma forma de ocupação pacífica. Para integrar o parque e a natureza ao cotidiano dos curitibanos, além de unir mais uma vez, mentes pensantes em prol do meio ambiente.




Confira a explicação completa, com a foto ilustrativa:

A área marcada com o número "2" é - com exceção da casa estadual - INTEGRALMENTE COMPOSTA POR ÁREA PÚBLICA MUNICIPAL, DOADA AO MUNICÍPIO PELO GRUPO SOIFER em meados de 2000. É este o núcleo do parque que solicitamos seja criado, sem nenhuma rua passando no meio e integrado paisagisticamente à casa. Nos descampados, jardins e equipamentos de lazer. Bosque preservado. Parque para os curitibanos. Pequeno, mas do povo.

Uma segunda discussão é a ampliação do complexo com os imóveis marcados com "3", todos do Grupo Soifer e VAGOS (tudo que está ali já foi demolido), mediante NOVAS DOAÇÕES E COMPENSAÇÕES - já que até agora as compensações negociadas não compensam a cidade, mas apenas o shopping com facilitações viárias. Há uma quarta área no item "3" (lote vago nos fundos de uma casa comercial na Carmelo Rangel), cuja desapropriação também poderia ser cogitada.
Com a integração ecológica ao pequeno bosque vizinho "4", teremos UM BELO PARQUE CENTRAL formado pelos itens "5". Não é o parque de 1987 que perdemos - mas já serve como símbolo da retomada urbanística de Curitiba.



Você também pode contribuir:
Assinando o abaixo-assinado do Parque Gomm: 
Escrevendo  "REVOGUE A RUA E CRIE O PARQUE, FRUET" no mural da Prefeitura no Facebook
Curtindo e participando da página Salvemos o Bosque da Casa Gomm no facebook,

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Distrito Federal preserva suas árvores durante obras em rodovia


Em Brasília, o cuidado com as árvores da região é um exemplo de deveria ser copiado por todas as capitais brasileiras.

Nas obras de uma rodovia, em que diversas grandes árvores estão plantadas, a empresa responsável pelo projeto está retirando uma a uma, da raiz à copa, e as colocando em outro local até o fim das obras, quando elas retornarão a sua habitação inicial.

O objetivo é salvar o maior número de árvores possível, embora elas estejam sofrendo um grande estresse com a poda extrema, feita para prevenir fungos, e o transporte, é uma tentativa notável de ao menos tentar não acabar com a vegetação urbana.



É possível crescer e se desenvolver sem destruir a natureza, e agora o Distrito Federal é uma prova disso.

Assista a reportagem completa no link: http://goo.gl/27jT0k


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Dicas de como separar o lixo em casa

Para cuidar do meio ambiente pequenas ações fazem grande diferença. Algo fácil de se fazer em casa é a separação do lixo. Confira algumas dicas importantes, que podem lhe ajudar a começar essa prática ou melhorá-la.

1 - Para começar, crie o hábito de, pelo menos, separar resíduos orgânicos dos secos. Utilize de preferência sacos biodegradáveis;
Atenção: ao ir às compras em supermercados, evite usar as sacolas plásticas convencionais, prefira as de naylon, que são reutilizáveis ;
2 - Para aprimorar a separação, tenha também uma lixeira específica para reciclagem, com nichos para cada tipo de lixo: papel, vidro, plástico e metal;
3 - Crie o hábito de lavar e secar bem as embalagens tetrapack após o uso e dobrá-las sempre que possível para não fazer volume;
4 - Lave e seque as embalagens de lata, alumínio, PET, plástico e vidro para evitar ratos, baratas e outros tipos de insetos;
5 - Diminua o tamanho das garrafas PET e de latinhas, amassando-as com as mãos ou pisando em cima delas. No caso da garrafa, depois feche a tampa. Com as latinhas, use amassadores para facilitar;
6 - Separe os papéis, rasgue-os em pedaços ou empilhe as folhas em vez de amassá-las. Papel amassado ocupa mais espaço, dá mais trabalho e encarece o transporte;
7 - Se o condomínio ou residência não tiver o serviço de coleta seletiva, vá guardando tudo em caixas separadas e depois leve o material até um posto mais próximo. Existem vários sites com endereços;
Atenção: Incentive o síndico ou os moradores do bairro a construir coletores para separar, pelo menos, os materiais secos dos orgânicos. Rapidamente, catadores da região enxergarão essa oportunidade. Os resíduos são fonte de renda para muitas pessoas. Um pequeno esforço tornará toda a comunidade em aliados do meio ambiente. 
Fonte: IG

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Renault contra a natureza


Mais uma concessionária, no bairro Boa Vista em Curitiba, destruiu a natureza em prol da sua própria imagem.
Para que o seu símbolo ficasse ainda mais evidente, a Renault cortou todos os galhos de um grande ipê amarelo, que estava ali há muito mais tempo. Durante anos crescendo, cuidando do nosso ar, mas nada disso conta quando se diz respeito ao próprio lucro.


No site da empresa, há menus e links falando sobre sua responsabilidade ambiental. Dizendo que a instituição entende o valor do meio ambiente, se comprometendo a preservá-lo. Se preocupa mesmo? Preserva?


Falar sobre responsabilidade ambiental é muito fácil, mas as demonstrações, por menores e mais cotidianas que sejam, é o que realmente importa.
O ipê amarelo tenta se recuperar da poda drástica, enquanto isso, a Renault continua espalhando seus carros, quem perde com isso somos todos nós, tendo a natureza que nos pertence destruída.





terça-feira, 17 de setembro de 2013

Rede Globo faz série de reportagens sobre meio ambiente


Um projeto da TV Globo, nomeado Verdejando, traz uma série de reportagens sobre a preservação do meio ambiente em áreas urbanas. Retratando os benefícios como a paisagem  ficar mais bonita, o ar mais puro e a melhora na saúde de todos se as árvores forem bem cuidadas e estiverem por perto.
A primeira reportagem traça o panorama da quantidade de árvores na capital paulistana. Assista no link: http://goo.gl/8dTehR

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Pequenas atitudes que fazem diferença: enquanto alguns destroem, outros preservam

A ganância continua reinando desenfreada sob a natureza.
Nesta semana, mais duas belíssimas árvores Ipê foram completamente cortadas. Ao que parece, para dar melhor visibilidade à uma loja de veículos no bairro Boa Vista.





Enquanto a concessionária insiste em destruir para manter sua fachada, e bem sabemos que isso não a faz mais bonita, uma farmácia do mesmo bairro tomou o caminho inverso. Tomaram a decisão de auxiliar a natureza a se manter em meio à cidade, com uma ideia simples e criativa, que manteve a árvore crescendo saudavelmente.



Pequenos atos de sensibilidade podem fazer uma grande diferença, não apenas na paisagem da nossa cidade, como também em qualidade de vida.
Durante a fase de crescimento as árvores absorvem carbono (CO²) da atmosfera, seus troncos são compostos por cerca de 80% de CO². Uma única árvore pode absorver cerca de 180 quilos de CO², esse processo é chamado de sequestro de carbono.
Uma árvore faz diferença. Um ato faz diferença.
Seja um vândalo: preserve! 

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Nesta Rua tem um bosque que não é do shopping não



Com a construção do shop­ping Pátio Batel no bairro central de Curitiba, o Grupo Soifer, que é o responsável por tal empreendimento, pretende realizar duas obras viárias que devem mudar o tráfego e a paisagem da região.

A primeira, é o prolongamento do binário da Avenida Vicente Machado com a Alameda Doutor Carlos de Carvalho. E a outra é a ligação das ruas Hermes Fontes e Bruno Filgueira – obra que deverá derrubar as árvores do bosque da Casa Gomm, residência centenária tombada pelo Conselho Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (Cepha).

O coletivo Salvemos o Bosque da Casa Gomm vem realizando ações para que o Bosque seja mantido, como prevê Processo 04/1988, do Cepha, que caracteriza os dois pavimentos e o sótão da Casa Gomm, além do seu entorno, construídos em 1913, como patrimônios públicos.

No próximo fim de semana, dia 8 de setembro, quando é celebrada a Padroeira de Curitiba, o coletivo promoverá o 4º Piquenique dos Sabiás no Bosque Gomm (Rua Bruno Filgueira, n. 850), o evento tem como foco revogar a construção desta nova rua, preservando a área verde que se encontra no local.



Foi também criada uma petição, que já conta com mais de 800 participantes,  a ser encaminhada para o Prefeito Gustavo Fruet, para assinar clique aqui. 

O evento está no Facebook, para confirmar sua presença clique aqui.


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Curitiba ganha casas sustentáveis

Recentemente, têm surgido na capital paranaense uma série de iniciativas que, se saírem do papel, podem contribuir para torná-la uma das cidades mais verdes do continente. Depois dos tetos verdes obrigatórios, a cidade presencia agora a construção de casas sustentáveis.





 A técnica do Wood Frame, que ergue as casas, consiste em placas de lâmina de aço e madeira que se encaixam e formam as paredes pré-moldadas. A estrutura é feita com um tipo de madeira de reflorestamento que pode durar até cem anos e o  isolamento térmico com lã de vidro ou garrafas pet.
Este modelo foi criado na Alemanha e trazido para o Brasil em 2010. Segundo a TecVerde, empresa que implantou a tecnologia na capital paranaense, as casas custam o mesmo que as de alvenaria, mas suas obras duram um quarto do tempo de uma obra convencional e economizam em 80% os resíduos e a emissão de carbono, além de utilizarem quatro vezes menos mão de obra.
Fora de Curitiba, a tecnologia tem sido usada para a construção de moradias para famílias de baixa renda. Em Rio Bom e Prado Ferreira, dois municípios no norte do Paraná, 43 casas populares foram erguidas utilizando a tecnologia verde em junho deste ano. Em Porto Alegre, capital do Rio grande do Sul, 300 casas sustentáveis foram construídas para o programa federal “Minha Casa, Minha Vida”, em 2012.

Originalmente publicado em: Catraca Livre.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Corte de árvore no Água Verde


Na tarde de hoje, 19 de agosto,  uma tipuana imensa na Rua Guilherme Pugsley no bairro Água Verde, foi cruelmente arrancada de seu lugar.
Recebemos a denúncia de um de nossos Vândalos Verdes, que acompanha o blog.
Segundo ele a árvore estava visivelmente sadia, como a grande maioria que encontramos. Quando se aproximou para fotografar um funcionário da prefeitura começou a insultá-lo, fazendo gestos obscenos e gritando de forma agressiva.
Além de denotar desrespeito a um cidadão que paga seus impostos, foi perceptível através desse comportamento o quanto estes funcionários estão acuados, sabendo que o que fazem é errado e desaprovado por parte da população.
Para nosso Vândalo o que mais se percebia era orgulho da destruição causada e vontade de coibir quem se colocasse contra.
A denúncia também foi oficializada pelo nosso leitor no 156.

Registro feito usando o Google Maps de como estava a tipuana:



Durante o corte, um pouco antes de nosso leitor ser expulso pelos funcionários da Prefeitura de Curitiba:


terça-feira, 13 de agosto de 2013

Vídeos educativos sobre meio ambiente


A empresa de mídia Discovery Communications criou um Programa Ambiental chamado Descubra o Verde (Planet Green). 
Dentro do Programa o canal Animal Planet fez vários vídeos educativos sobre meio ambiente. 
Confira o projeto no site oficialhttp://www.discoverybrasil.com/descubraoverde/

Vejam alguns vídeos abaixo. 
















quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Mais uma vez a natureza perde: Tipuana é cortada no bairro Boa Vista



Durante meses a equipe do Vândalo Verde vem lutando pela preservação de uma árvore tipuana na Rua José Merhy no Bairro Boa Vista.

O processo iniciou quando alguns moradores da rua pediram o corte da árvore, as justificativas eram várias como:
-que atrapalhavam tocando nos fios de luz (o que pode ser resolvido rapidamente com uma poda),
-que as raízes estavam quebrando a calçada (calçada esta que chegou ali muito tempo depois da árvore),
-achavam que fosse cair em cima de suas casas (mesmo a arvore sendo jovem e saudável).

Nossa equipe então, contratou um engenheiro ambiental que fez todos os testes e medições possíveis, provando que a arvore estava em perfeito estado de saúde.

Durante meses o processo se arrastou pelos diversos departamentos da Prefeitura de Curitiba, os moradores da rua pedindo o corte, enquanto nós insistíamos em que a Prefeitura pelo menos avaliasse a tipuana, vendo se era realmente necessário tirá-la a vida.

Todos os dias deixávamos um carro ao lado da árvore, como uma forma de impedir seu corte, pois para chegar até ela teriam que remover o veículo, algo que não possuem autorização.

O tempo continuou passando sem uma resposta concreta ou mesmo uma análise da saúde da arvore.

Infelizmente, ontem (06 de agosto de 2013) a Tipuana, de 25 anos de idade, foi impiedosamente retalhada pelas máquinas da prefeitura.
Os funcionários foram acompanhados da polícia para garantir que o corte fosse realizado.



Conforme ela foi sendo fatiada, foi ainda mais perceptível sua saúde, não havia nenhuma praga instalada em seu tronco, nem qualquer outro sinal de fraqueza que pudesse ocasionar sua queda.



Mais uma vez a natureza perde.
Mais uma vez todos nós perdemos.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

SOS Mata Atlântica lança jogo para Facebook


A preservação dos ecossistemas passa pela educação ambiental. A tarefa adquire mais importância quando o tema em questão é o bioma mais ameaçado do país, a Mata Atlântica. Pensando nisso, a SOS Mata Atlântica, que milita há mais de 20 anos na preservação do bioma, lançou na semana passada o aplicativo “SOS Mata Atlântica: O Jogo”, disponível para IOS, Android e Facebook.

O jogador desempenha missões que variam entre reflorestamento, combate à caça predatória, coleta seletiva do lixo, controle da qualidade do ar, água e do solo, além de atividades agrícolas e pecuárias desenvolvidas de forma a impactar menos o ambiente. A tarefa do jogador é adquirir bonificações “em consciência ambiental”. Quanto maior a consciência ambiental, maior é a variedade liberada de árvores nativas da Mata Atlântica, por exemplo.



O game pode ser jogado entre amigos. No Facebook, há a possibilidade de convidar amigos para fazer missões, além de postar atividades no mural da rede social. O jogo social foi produzido em parceria com a produtora de games brasileira OvniStudios.

De acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica, novos conteúdos e missões serão liberados gradualmente e brindes também serão distribuídos a pessoas que comparecerem presencialmente a eventos e atividades realizadas pela ONG.

Para jogar, acesse o facebook em
https://apps.facebook.com/sosmataatlantica/


quarta-feira, 31 de julho de 2013

Seis grandes marcas que tem atitudes sustentáveis


Algumas empresas não necessariamente estão voltadas para os negócios ambientalmente corretos, e em alguns casos parecem até caminhar na contramão dessa ideia, mas há companhias que têm adotado boas práticas a fim de minimizar os impactos causados por suas atuações. Essas iniciativas incluem, por exemplo, o uso de energia renovável e a redução de recursos naturais como a água.
O site Planet Save listou seis marcas que você deve conhecer e suas atitudes eco-friendly:

  • Nike
A multinacional com sede na Holanda reduziu sua pegada de carbono em 80% desde 1999 e usa energia geotérmica (proveniente do calor interno da Terra).


  •  Johnson & Johnson
Hoje a multinacional voltada para higiene pessoal tem sua produção proveniente de fontes limpas, pois mais da metade do trabalho na indústria usa alguma fonte renovável. Além disso, tornou-se a segunda maior indústria consumidora desse tipo de energia nos Estados Unidos.



  • Philips Electronics

Além de se esforçar para Philips aumentar drasticamente a sua eficiência energética em seu processo de produção, a Phillips também investe milhares de milhões de euros em investigação sobre sustentabilidade e repasse tal conheicmento aos seus fornecedores, de modo que cada empresa na Terra possa algum dia ser tão eco-friendly como ela está tentando ser.



  •  Dell
Em 2008, a Dell prometeu que iria reduzir suas emissões totais de produção em 40% até o final de 2015. Com apenas dois anos para esse prazo, a norte-americana vai chegar facilmente a sua meta, porque já reduziu 38%.


  • Tupperware
Iniciativas para reduzir a poluição, economizar energia e reciclar são rotineiras no processo de produção Tupperware. Políticas ambientais muito rígidas são aplicadas em suas fábricas ao redor do mundo, e o retorno do investimento ambiental é extraordinário.



  •  IBM
Além de se destacar na promoção de cidades inteligentes, com sistemas interligados para a redução de energia, a multinacional de tecnologias da informação melhorou sua eficiência energética em 40%, entre 1990 e 2000, o que inclui a energia utilizada para a fabricação de equipamentos.


Fonte: ECO D

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Dica de filme: Mataram Irmã Dorothy

O crime ocorrido no Pará, que ganhou visibilidade mundial, é um exemplo do desafio na implementação de projetos de desenvolvimento sustentável na Amazônia. Nesse documentário a morte da missionária Dorothy Stang é o pano de fundo para mostrar o trabalho realizado junto às comunidades, indo de encontro aos interesses de madeireiros e donos de terra. Os envolvidos com o crime ou com a freira são ouvidos no documentário de Daniel Junge, narrado pelo ator Wagner Moura.



Sinopse
Em fevereiro de 2005, a irmã Dorothy Stang, de 73 anos, foi brutalmente assassinada. Ativista na defesa do meio ambiente e das comunidades carentes exploradas por madeireiros e donos de terra na Amazônia, a freira americana foi executada com seis tiros no interior do Pará. O documentário revela os bastidores do julgamento dos assassinos de Dorothy e investiga as razões de sua morte e seus verdadeiros mandantes. Por trás do drama criminal, vem à tona o legado de seu trabalho humanitário na floresta brasileira.

Ficha
Título Original: They Killed Sister Dorothy
Duração: 94 min.
Origem: Estados Unidos
Estreia: 2009
Direção: Daniel Junge



Documentário completo no Youtube







Publicado originalmente em: Três documentários sobre meio ambiente | Vestibular no Pará 

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Árvores são derrubadas para visita do Papa

Cerca de 334 árvores da Mata Atlântica foram derrubadas em Niterói, no Rio de Janeiro,  afim de abrir espaço para realização de uma missa missa campal durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).


Uma denúncia levou fiscais do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) a flagrarem, na última segunda-feira, o desmatamento de um terreno da Paróquia de São Sebastião de Itaipu, na Região Oceânica de Niterói. Ao órgão ambiental, a igreja justificou que precisava limpar a área para celebrar a missa que tem um público esperado de 800 pessoas. 

Esta é a primeira viagem internacional do Papa Francisco ao Brasil, maior país católico do mundo, os fiéis se preparam para esse momento histórico, infelizmente da forma errada.

O vice-prefeito de Niterói, Axel Grael, disse em entrevista ao jornal O Globo que o episódio é “lamentável”, negando que a prefeitura tenha dado autorização para o corte num terreno às margens do Parque Estadual da Serra da Tiririca, uma unidade de conservação estadual:

— Um evento destinado à juventude deveria ter caráter educativo e, portanto, compromisso com o meio ambiente e com o futuro. É óbvio que a supressão contraria a legislação.

O padre Casimiro, responsável pela Paróquia não deu nenhuma declaração à imprensa sobre o acontecido, no entanto, apresentaram à chefia do Parque da Tiririca, após a inspeção do Inea no terreno, um termo de compromisso ambiental firmado entre a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Niterói e a paróquia. No documento, a igreja se compromete a replantar a área e recuperar toda a restinga da Praia de Itaipu.


Esta não é a primeira polêmica envolvendo meio ambiente e a JMJ. A pedido da Arquidiocese, a Fundação Parques e Jardins chegou a autorizar, no último dia 5, a retirada de 11 coqueiros na Praia do Leme, junto a um dos palcos montados para a Jornada. O prefeito Eduardo Paes acabou vetando a supressão.

Fonte: O Globo



O questionamento que fica é de qual o valor de uma figura religiosa se comparada à natureza?
Nossas prioridades estão em ordem correta?
300 árvores centenárias, nativas, que estavam ali antes mesmo deste, ou dos outros padres que eram candidatos a esta posição nascerem, foram simplesmente dizimadas para que uma missa de algumas horas tenha espaço garantido.
E o ponto mais contraditório é o de que durante todo o período de divulgação da Jornada da Juventude a imagem apresentada mostrava como um evento apoiador do meio ambiente, da preservação e sustentabilidade, no entanto, vemos que na prática o posicionamento é muito diferente.


segunda-feira, 8 de julho de 2013

Paulista planta 16 mil árvores em áreas abandonadas

Hélio da Silva, 62, paulista, apaixonado por árvores.

O aposentado há dez anos planta árvores na região, a ideia inicial era colocar 5.000 unidades; hoje, na contagem do próprio Hélio, são 16.591 árvores de 170 espécies diferentes, a maioria nativa da mata atlântica.


Ele conta que, quando começou, achavam que era louco. Sua mulher, Leda Vitoriano, era uma dessas pessoas. “Eu dizia: ‘Você faz tudo e quem vai levar a fama são os vereadores’”, conta ela, que acha que o casal comprou brigas desnecessárias.

A principal foi com comerciantes da região, já que a vegetação começou a tapar a visão das lojas da avenida Carvalho Pinto. As primeiras 500 mudas foram destruídas. “De cada dez que eu plantava, arrancavam oito.”


Após quatro anos e 5.000 árvores, a prefeitura transformou, em 2007, o Tiquatira no primeiro parque linear (ao longo de rios) da cidade e lá instalou banheiros e equipamentos de lazer.

Fonte: Razões para Acreditar