Image Map

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Paineira Rosa x Estacionamento

Quem ganha a disputa entre o progresso e a natureza?
tronco totalmente circundado a golpes de machado.

Claro que é o 'progresso' o ganhador!
No terreno baldio da av. Paraná, ~358, uma Paineira Rosa, espécie nativa, foi cortada quase em sua totalidade e deixada para morrer.
Exemplo incoerente com a vizinhança, uma igreja ao lado tem a árvore mãe, linda e enorme, como simbolo da vida que ela trás e ao fundo também é possível ver a frondosa árvore que adornar o condomínio dos fundos.
Visão da árvore tombada ao fundo e espaço 'remodelado' para dar espaço a carros.

Aparentemente para dar espaço ao escritório de advocacia ao lado, do numero 326. Se o escritório não está usufruindo do terreno pelo menos está sendo relapso em não denunciar tal crime.

Ainda pode ser vista a árvore 'verde' e com seus frutos, muito apreciados pelas 'maritacas'.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Curitiba, a “capital ecológica”, mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original

Olá pessoal,

Há vários anos escutamos a Prefeitura de Curitiba designando nossa cidade como a “capital ecológica”, inclusive em seus slogans. Essa propaganda pode até ter se sustentado por um período (muito breve) entre os curitibanos, mas o tempo e as atitudes dos nossos governantes foram nos mostrando a verdade, totalmente ao contrário do que é pregado por eles.



E hoje temos mais uma prova disso, repercutida em uma matéria do jornal Gazeta do Povo, publicada no mês de novembro. A reportagem mostra uma triste realidade, que chegou a nos deixar de “estômago embrulhado”: Curitiba mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original e seu desempenho é o pior entre as capitais. Esses e outros dados fazem parte do Atlas de Remanescentes Municipais, divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica. Confiram a notícia na íntegra: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/curitiba-tem-so-1-de-sua-mata-atlantica-original-a-pior-situacao-entre-capitais-7v3di08mebfq5lnbizekbaomm

E agora Prefeitura, diante de um dado como alarmante como esse, vocês ainda acham possível continuar sustentando essa mentira a respeito de Curitiba? Até quando vocês pensam que vão continuar enganando cidadãos curitibanos, brasileiros e até estrangeiros? Chega de tanta hipocrisia!

E o que é pior: já temos tão poucas árvores (que por enquanto estão salvas de tamanha crueldade e ignorância), e vocês diariamente cortam a maltratam as que ainda restam. São tantas histórias, tantas denúncias, que sentimos medo pelo futuro das próximas gerações. 

Porque se a situação continuar dessa forma, e a tendência é de que continue, vai faltar oxigênio para respirar. Aí será questão de vida ou morte. Nesse caso com certeza a segunda opção. Mas parece que nossos governantes não percebem isso, algo chamado o dinheiro os cegou. E quem paga somos nós e elas, as árvores, tão indefesas e ao mesmo tempo tão necessárias para nossa sobrevivência.

Até logo. 






quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Enorme área verde prestes a ser devastada: e a Prefeitura de Curitiba autorizou!


Olá pessoal,

Pois é, cada vez mais nos convencemos de que o ser humano está se tornando alguém que “esqueceu” que depende de outros seres para sobreviver e, entre eles, estão as árvores. Como vamos respirar daqui há um tempo, quando só houver concreto? Porque o caminho que está sendo trilhado é exatamente esse. Cada vez mais vemos prédios, construções, devastação e morte. 


Hoje estamos aqui para mostrar uma enorme área verde, situada no bairro Santa Cândida, que está prestes a ser devastada em função da construção de um condomínio de prédios. Pelas imagens do Google Maps e pela maquete do empreendimento, que encontra-se na placa, podemos ver o tamanho da área verde que será extinta:




Os moradores da região estão indignados e relataram a existência de “esquilinhos”, tucanos, e outras espécies pouco comuns no bosque. Mas é claro que isso não tem valor diante de um prédio e do dinheiro que ele trás aos políticos corruptos e empresários sem escrúpulos! Afinal, os animais que se mudem...e as árvores, tanto faz para eles, não é mesmo? Na verdade cada vez mais mostram que quanto menos verde, melhor.

Afinal, como a Prefeitura de Curitiba concedeu um alvará de construção, sabendo dessa enorme área verde que será cortada? De que forma a construtora conseguiu essa aprovação? Muito estranho, não? 

Segundo o arquiteto, Luis Gustavo Loewenthal, "a média de potencial construtivo em um terreno é de em média 30% da área verde total”. Mas como podemos ver perfeitamente pela maquete não é isso que acontecerá. Então podemos supor que o dinheiro realmente fala mais alto e que tudo se consegue com ele, até mesmo matar cruelmente diversas árvores sadias.

Triste, não é mesmo?

Vejam o tamanho do bosque em que haverá a construção. Imaginem quantas vidas moram lá. Não tem como não sentir indignação, tristeza e raiva desses seres humanos que estão perdendo a sua humanidade.

Até mais. ):



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Parabéns, Prefeitura e Copel! Vocês conseguiram matar mais uma árvore!

Olá pessoal,

A Prefeitura de Curitiba, juntamente com a Copel, continua realizando suas “eficientes” obras em relação ao nosso verde. Pois é, conseguiram matar mais uma árvore, situada na Rua Ludovico Geronaso, 958, Boa Vista (será que fizeram alguma comemoração? porque estamos convencidos de que, para eles, menos árvore é sinal de menos incômodo).

Mais uma vez, em função de sucessivas podas drásticas - que, voltamos a frisar, contribuem para a morte prematura das árvores por deixá-las expostas a doenças ou ao seu desequilíbrio até caírem – uma árvore que um dia foi frondosa, morreu. Sim, os “profissionais” contratados realizaram seu dês-serviço da melhor forma: a mataram de forma cruel e sem a menor preocupação.


Vejam como ela estava em 2014, já bastante debilitada após tantos cortes:



E há poucos dias a fotografamos novamente, cheia de pragas e já sem forças para rebrotar. Os galhos que um dia foram grossos e fortes foram amputados sem a menor piedade e, daqui uns dias, nem seu tronco estará mais no local, pois como está “doente” (e não poderia ser diferente depois de tanta barbárie), é melhor cortar de vez (assim pensam eles). Quanta tristeza!


Reparem no estado da árvore ):

Qual a conclusão que vocês chegam a respeito dos motivos que a Prefeitura e a Copel teriam para tanta crueldade? Acreditamos que um dos deles é a economia com a manutenção, afinal assim não precisam mais se preocupar com cuidados e podas que não danifiquem as árvores. Aliás, eles sabem que isso existe?

Até mais. 





terça-feira, 17 de novembro de 2015

A árvore que virou poste: novidade em Curitiba

Olá pessoal,

Quando acreditamos que nada pior pode acontecer em relação a falta de respeito com as árvores de Curitiba, somos surpreendidos com uma novidade: agora eles cimentam raízes para verificar se elas viram postes! 

Confiram essa maravilhosa inovação:



Essa árvore (para quem quiser ver de perto a novidade), está situada na Rua Padre Anchieta, próximo ao número 1918. É possível que, além dela, outras também estejam sendo “cultivadas” para se transformarem em concreto. Como acreditamos que essa obra é da nossa Prefeitura e eles gostam do cinza, pois não querem ter trabalho com o “verde”, é provável também que essa ação também tenha se espalhado por outras regiões da cidade.


De repente se passarmos por lá, as árvores ao lado também já estão cimentadas


Brincadeiras à parte, sabemos que o destino dessa árvore é a morte. Se essa obra foi realizada pela Prefeitura de Curitiba (ou por quem quer que seja!), mais uma vez questionamos a competência desses “profissionais” em relação ao cuidado com o meio ambiente. Logicamente que se a árvore ficar sem os nutrientes que vem da terra, pois foi encoberta por cimento, ela morrerá. “A cimentação do solo em torno da árvore e de suas raízes impede a irrigação e a absorção de nutrientes, o que pode vir a causar podridão do colo (base junto ao solo) e tombamento da mesma”, afirmou o engenheiro agrônomo da Biovert, Magno Vargas, em entrevista para O Globo.

E aí, quando estiver completamente sem forças e cair em cima de um carro e de um pedestre, eles poderão ainda dizer que “a culpa” foi da própria árvore. Afinal, é isso que eles querem!

Além disso, ao tentar lutar pela vida, a raízes vão acabar quebrando o cimento. De acordo com Vargas, “toda raiz possui crescimento preferencialmente para baixo, mas ao encontrar qualquer barreira, cresce para o lado e para cima, estourando as calçadas”.  

A árvore irá tentar respirar e, mais uma vez, será considerada vilã por ter “danificado a cidade”. Parece piada, não? Antes fosse, mas é a pura realidade da nossa cidade e de tantas outras.

Prefeitura de Curitiba, vocês não sabiam disso? Ou acreditam realmente que árvores pode virar postes como vocês tanto almejam? Respondam pra gente!






domingo, 8 de novembro de 2015

Árvores da Lapa pedem socorro: mais uma morte em série está para acontecer?

Olá pessoal,

Hoje estamos aqui para denunciar a possível morte de diversas árvores situadas em uma avenida da cidade da Lapa, no Paraná. Ficamos cientes da situação a partir da postagem de uma moradora de lá, chamada Luciana, em uma mídia social.

Entramos em contato com ela e soubemos que teve essa informação a partir do comentário de um funcionário da prefeitura local, chamado Felipe, na mesma mídia. Inclusive tivemos acesso a fala do funcionário, salva em printscreen por Luciana, segundo ela, tamanha foi sua indignação.

Em uma foto da avenida toda arborizada, ele disse que “embora bonita visão, parte dessa beleza será trocada, pois no tempo que se plantou tais árvores não se fez estudo do impacto do crescimento das mesmas e se havia possibilidade dessas terem raízes aéreas que não iriam respeitar e que o homem acha que pode domar e o resultado se vê nos calombos criados na via por causa das raízes...a troca deve ocorrer por espécies que não tenham tal comportamento. Outra necessidade da troca é o fato de que muitas árvores estão condenadas mediante os parasitas que sugaram os nutrientes que ela precisavam e as fez apodrecer, causando perigo a quem passe por elas...”


Vejam a avenida e as árvores em questão:



Parece a vocês que elas estão “atrapalhando” em alguma coisa? Pelo menos nas imagens postadas pela moradora, não há raízes danificando calçadas (até mesmo se tivesse, não seria justo, por falta de estudo de impacto, ou seja, falha da Prefeitura, matar tantas árvores de uma vez) nem fiações elétricas, nem mais nada que “justifique” os cortes.  As árvores parecem doentes de alguma forma?

Acreditamos que não houve estudo que justifique doença ou algo similar nas árvores, já que isso o funcionário da Prefeitura não citou. Então, mais uma vez, imaginamos que as desculpas mais esdrúxulas são inventadas simplesmente pela vontade de “trocar a beleza”, como ele citou, por árvores mais novas, por exemplo.

Pela forma que ele falou, se vê que não há nenhuma preocupação com a vida, com os muitos anos em que essas árvores beneficiaram e continuam beneficiando os cidadãos, como se esse tipo de beleza pudesse ser trocada como um objeto qualquer.

E, para levantar ainda mais a suspeita dos possíveis cortes, nos últimos dias a Prefeitura iniciou um serviço de poda no local, como vocês podem ver na foto abaixo. Seriam mais podas drásticas, que resultariam em doenças e assim a Prefeitura estaria ilesa de qualquer crítica?




“Se procede a informação de que essas árvores serão cortadas por oferecer perigo aos transeuntes ainda não confirmei, mas se for isso mesmo, vão fazer uma falta danada. Nem imagino a avenida sem elas”, comentou Luciana, que mora na Lapa desde que nasceu. Assim como ela, diversos cidadãos comentaram a respeito, mostrando tristeza e indignação em relação a possível morte das árvores. Esperamos sinceramente que a Prefeitura os respeite, respeite e repense a respeito desses cortes, já que essas árvores são SERES VIVOS (sim, Prefeitura, elas tem vida!) e não merecem morrer assim.

Vamos informando vocês e torcendo para que essa situação não tenha o desfecho que imaginamos. Até mais!







terça-feira, 3 de novembro de 2015

Aqui jaz uma árvore centenária (e ninguém vai pagar por isso?)

Olá pessoal,

Mais uma vez estamos aqui para realizar uma denúncia de corte de árvore em Curitiba. Um verdadeiro absurdo, cometido por pessoas que deveriam ser ao menos “instruídas”. Uma árvore centenária, localizada em um escritório de advocacia situado na Rua Carmelo Rangel, 226, Bairro Batel, foi morta sem a menor preocupação há alguns dias.

Ficamos sabendo dessa lamentável notícia por meio de um cidadão curitibano que acompanhou a história por meio do Facebook “Salvemos o Bosque da Casa Gomm”, onde várias pessoas, indignadas com a situação, debateram a respeito e, inclusive realizaram denúncias via Central 156 da Prefeitura de Curitiba. Claro que nós também denunciamos, para ver se um número maior de reclamações faz alguém tomar uma atitude! O protocolo fornecido para a nossa denúncia foi: 000356520i 

De acordo com uma moradora de Curitiba, chamada Marcia, “a árvore foi cortada no final de semana, quando não há fiscalização, mas os restos e o caule de mais de três metros estão lá ainda, é só a Prefeitura averiguar”. Inclusive, houve denúncia a respeito,como dissemos acima. E até agora, nada!

Vejam como era a árvore:


E agora, o que restou dela:


Dá para acreditar que seres humanos como nós simplesmente decidem acabar com a vida da árvore, contratam alguém para isso e mandam cortá-la? Como se fosse um ser sem vida, sem beleza. Mas, como diz o ditado, “a beleza está nos olhos de quem vê”. Que tipo de beleza eles enxergam? A do dinheiro, do concreto?

Prefeitura de Curitiba, mais uma vez, pedimos que verifique essa situação. Se essa árvore foi cortada de forma ilegal, o que tudo leva a crer que sim, gostaríamos de ver punição, e não “vista grossa” como acontece tantas vezes (principalmente quando quem realizou a ação tem poder aquisitivo). Mostra pra gente que vocês realmente nos representam! (ou vamos continuar entendendo que não?)

Vamos mantendo vocês informados. Até mais!



segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Ótima ideia! Prefeitura de Curitiba mostra que a cidade ganha muito sem as árvores

Olá pessoal,

Como já notamos e, mais do que isso, provamos diversas vezes aqui no Vândalo Verde, a Prefeitura de Curitiba, que entende muito de pintar asfalto e outras ações relacionadas ao concreto, está realizando uma verdadeira devastação na arborização urbana. 

Sim! Afinal de contas, mais valem as “benfeitorias” do que as árvores que, para eles (como também já constatamos) não passam de problemas por uma série de motivos absurdos e inacreditáveis, ainda mais vindo de pessoas que deveriam ser instruídas e possuírem uma mínima noção sobre a importância do meio ambiente para a vida de todos nós.


Um claro exemplo disso foi o que aconteceu na Rua Fernando Amaro, bairro Alto da XV, via que já foi uma das mais arborizadas e bonitas (para quem consegue enxergar esse tipo de  beleza) de Curitiba. Vejam como ela era até meados de 2012:


Inclusive, na época em que iniciaram os cortes, fizemos um post a respeito, como vocês podem relembrar pelo link: http://www.vandaloverde.com.br/2012/10/espanta-me-precisao-da-prefeitura-na.html

Mas o fato é que eles conseguiram! 

                                                         
                 Vejam a diferença de como a rua é hoje, já praticamente sem árvores:

Com a morte dessas frondosas árvores que traziam beleza ao local, além de todos os benefícios que já conhecemos, eles tiveram uma série de vantagens! Hoje as fachadas comerciais são mais bem visualizadas, há menos folhas e flores para limpar, além das vagas de estacionamento que hoje ocupam o espaço que foi da natureza um dia. Uma maravilha, não?

Inclusive temos uma sugestão. Prefeitura de Curitiba, lance a campanha: “Você aceita trocar uma árvore por uma vaga de estacionamento? A PMC aceita!”. Ficaria muito bom e combinaria com o tipo de importância que vocês dão as nossas árvores. Ou seja, zero! Afinal, a cidade ganha muito se transformando em uma selva de pedra, cinza e sem graça. Parabéns, vocês estão conseguindo!


sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Elas venceram: árvores foram poupadas do ataque dos ogros

Olá pessoal,

Hoje estamos aqui (muito satisfeitos por sinal!) para compartilhar com vocês uma história de amor a natureza, que teve um final feliz. Como é bom trazer boas notícias em um mundo habitado por ogros de coração peludo, que não conseguem ver beleza nas árvores e por isso cometem terríveis crueldades. Já ouviram falar sobre eles? Confiram post que fizemos a respeito! http://www.vandaloverde.com.br/2015/07/a-fabula-da-vida-real-ogros-e-gnomos.html

Fato é que dessa vez quem venceu foram as árvores, defendidas por alguém que lutou para salvá-las. A história é a seguinte: um cidadão de Curitiba, chamado Vanderlei Lozano da Silva, cultiva e cuida de um jardim situado na calçada de sua casa há quatro anos. 

Nesse jardim, há diversas bananeiras. “Eu sempre quis ter um contato mais íntimo com o que a gente chama de ‘natureza’ e esse jardim me obriga a ter sempre esse contato, pois sou obrigado a ‘cuidar’ dele. Inclusive a produção de bananas é partilhada entre várias famílias e também por pássaros”, comentou.

Este é o jardim em questão:

                                             Em que ele estaria atrapalhando? 




Apesar de Vanderlei nunca ter recebido uma reclamação direta de vizinhos sobre as bananeiras, a plantação foi denunciada a Prefeitura de Curitiba via Central 156 e ele recebeu a seguinte resposta: “notificação para remoção de vegetação e adequação ao decreto 1066”, ou seja, teria que retirar (mesmo que precisasse matar) as árvores de lá.

“Sei que tem gente que considera as folhas caídas e a terra como coisas sujas, que preferem o concreto e o asfalto. Mas acho que tenho o direito de oferecer uma calçada agradável para os transeuntes e servir de exemplo para que outros vizinhos também tenham plantas em sua casa. Admiro um projeto da Alemanha, por exemplo, onde a prefeitura mapeou as árvores frutíferas da cidade e todos os alemães podem cuidar delas e colher seus frutos”.

Em função dessa filosofia e pelo amor ao seu jardim, apesar das ameaças de multa pela Prefeitura, ele decidiu seguir em frente. Divulgou o caso, conseguiu apoio de vizinhos e amigos, fotografou a sua rua e mostrou as fotos ao secretário de urbanismo, realizando uma verdadeira mobilização. Até que a Prefeitura decidiu recuar e arquivar o caso. E as árvores continuam vivendo, independente de onde foram plantadas, se o local estaria “certo ou errado”.

Mas sabemos que se ele tivesse cedido à pressão e não tivesse mobilizado tanta gente, este jardim já não existiria mais. Em seu lugar ficaria mais uma marca da crueldade daqueles que deveriam nos representar com mais respeito.

Parabéns pela atitude, Vanderlei! O Vândalo Verde e todos os que defendem o meio ambiente agradecem. Despedimos-nos felizes e esperamos contar mais histórias assim por aqui!



terça-feira, 13 de outubro de 2015

Até parece complô! Árvores seriam deixadas para morrer propositalmente?


Olá pessoal,

Analisando as inúmeras podas drásticas realizadas pela Prefeitura de Curitiba ultimamente (muito provável que em sua região tenham muitas), começamos a observar algumas questões que até quem não é profissional da área percebe.

São muitas espécies cortadas de qualquer jeito e de forma irregular, sem nenhuma preocupação com sua saúde (sim, porque como já colocamos algumas vezes aqui, a poda drástica muitas vezes ocasiona a morte) ou mesmo com a estética.

A sensação que nos dá é de que alguém, sem capacitação para tal, é designado para realizar uma poda com as justificativas mais infundadas. A partir daí, o “profissional” poda a árvore de qualquer jeito, resolvendo o “problema” em questão.

O que ficam são galhos sem nenhuma copa, ou seja, crime ambiental de acordo com a Legislação Ambiental de Curitiba, que ao decorrer do tempo são atacados por parasitas agressivos que podem tomar conta da árvore e sufocá-la, como as ervas-de-passarinho, por exemplo.

Nas fotos a seguir vocês podem visualizar uma árvore inteira com os destaques para as podas drásticas sofridas anteriormente. Dá para perceber a fragilidade no local onde brotaram os galhos! Além disso, percebam que nela há muitas

ervas-de-passarinho: 




Isso parece um complô, não é mesmo? Como se as ações fossem feitas propositalmente com um único fim: acabar com as árvores da cidade e transformá-la numa selva de pedra. Porque não é possível que profissionais que deveriam ser gabaritados ajam desta forma sem perceberem tamanha crueldade e o pior, que nossos representantes não estejam vendo isso. Afinal de contas, o que a nossa digníssima Prefeitura de Curitiba quer?

Gostaríamos MUITO de ter uma resposta.