Image Map

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Sim, as árvores têm sentimentos! Pesquisador alemão faz estudo que comprova o que já imaginávamos.

Olá pessoal,

Para quem não viu a reportagem do programa Fantástico, exibida esse mês, e que trouxe o belo trabalho de um pesquisador alemão a respeito da comunicação entre as árvores, terá a oportunidade de ver aqui e, muito provavelmente mudar o seu conceito sobre elas para sempre, como aconteceu com a gente (tudo bem que já éramos apaixonados por essas “verdinhas”, mas com certeza essa pesquisa nos trouxe ainda mais vontade de continuar defendendo nossas companheiras até o fim!). 


Floresta da Espanha com formato de coração!


Em seu trabalho, que se transformou no livro “A vida secreta das árvores”, o cientista e engenheiro florestal, Peter Wohlleben, mostrou que embaixo da terra há uma rede de comunicação, ou uma “sociedade da floresta”, em que as árvores se protegem, criam laços afetivos, mandam mensagens, se comunicam, se organizam e dividem seus recursos com aquelas que mais precisam. Um exemplo mostrado na matéria é o de uma árvore que caiu ou foi cortada há duzentos ou trezentos anos, mas continua viva porque as outras a estão ajudando. 

Outro dado bastante interessante apresentado pelo pesquisador é a similaridade entre os processos elétricos originados das raízes e os que acontecem em nosso cérebro. De acordo com Wohlleben, seria algo parecido com pensamentos. Ou seja, além de serem organismos vivos, elas também sentem. E, pelo jeito, muito mais do que a gente imaginava.

A reportagem também trouxe a opinião do botânico brasileiro, Ricardo Cardim, do blog Árvores da São Paulo, que concorda com as teorias do cientista alemão. Segundo ele, ainda se sabe muito pouco sobre as interações que ocorrem numa floresta, mas ele acredita que sim, existe toda uma sintonia de vida em uma floresta.

Depois de assistir essa matéria, não há como não refletir sobre a beleza de tudo isso, uma família entre as árvores e o amor que sentem uma pelas outras. Se uma é cortada, todas as outras sofrem, podendo se comparar com a perda de um ente querido. Quiséramos nós que todos começassem a  entender sobre a importância que uma árvore tem para a outra e  também a nossa dependência, como seres humanos, de que eles vivam para que possamos também viver. Confira a reportagem!

https://globoplay.globo.com/v/5852605/programa/ 


Compartilhe, reflita, nos ajude a conscientizar quem ainda pensa que árvores são como postes, que podem ser cortadas indiscriminadamente sem nada sofrer.

Até logo!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Queda de árvores em Curitiba: de que maneiras a ação humana contribui (e muito!) para o problema?

Olá pessoal,

Há poucos dias, mais uma vez, a chuva forte, acompanhada de vento, derrubou inúmeras árvores em vários bairros de Curitiba, deixando as pessoas sem luz, o tráfego interditado, além de danos materiais que com certeza causaram. Na sequência, vieram notícias em diversos veículos de comunicação, os quais, em 100% dos casos, ou quase isso, passaram informações de que a natureza, em “mais um dia de fúria”, acabou causando esses acidentes.



aqui, a princípio, a queda causou somente danos materiais
e falta de luz. mas poderia ter sido pior, caindo em cima de alguém!


Mas espera aí: a gente sabe que os ventos, dependendo da velocidade, são capazes de verdadeiras catástrofes. Porém as árvores, as quais são feitas para aguentarem esse tipo de situação, se estivessem vivendo em boas condições, sem uma agressão aqui e ali, cairiam assim, nessa quantidade? É claro que não! Então resolvemos falar sobre isso, já que nos parece tão fácil tratar a situação como inevitável, sendo que algumas atitudes, se levadas em consideração, poderiam diminuir consideravelmente o problema.

Em primeiro lugar, árvores com raízes doentes são muito mais suscetíveis à queda. “Alguns tipos de árvores, como a Tipuana Tipu e Caesalpinia Ferrea (pau-ferro), têm as raízes sufocadas pelo cimento ou asfalto da rua. Com isso ficam mais vulneráveis, já que as substâncias tóxicas podem matar parte da base. Por isso é fundamental planejar bem qual espécie será plantada na calçada e tomar cuidado para não prejudicar a raiz”, afirma o biólogo, Marcos Buckeridge, em entrevista para o portal Catraca Livre. Matéria completa aqui: https://catracalivre.com.br/geral/sustentavel/indicacao/entenda-porque-as-arvores-caem-e-como-evitar-esse-problema/

É bem possível que esse seja o caso! pelo porte da árvore dá para imaginar
o tamanho de sua raiz. Possivelmente uma parte dela estava sufocada!


Prefeitura de Curitiba, que tipos de cuidados são tomados na hora de plantar árvores nas calçadas? Há um estudo de cada espécie antes do plantio? Ou ainda, há algum tipo de conscientização e educação da população nesse sentido? Se houvesse, casos como o de uma “cidadã”, que massacrou (na verdade pagou para massacrar) uma raiz em plena luz do dia, sem a menor preocupação, não aconteceriam tanto. Confiram nosso último post a respeito do assunto, e podem se indignar tanto quanto nós: http://www.vandaloverde.com.br/2017/03/arvore-nao-e-poste-corte-suas-raizes-e.html  

Árvores não são postes!  

Além disso, não só raízes doentes são as responsáveis por possíveis quedas. Podas drásticas, ou mal feitas, também são extremamente agressivas para as árvores, podendo interferir em seu equilíbrio ou trazerem doenças,  o que as tornam mais vulneráveis. Falamos algumas vezes sobre o assunto aqui. Confiram mais informações nesse post: http://www.vandaloverde.com.br/2012/07/denuncia-do-vandalo-verde.html

Essa árvore não caiu por inteiro, mas, caso a sua poda tenha sido malfeita (o que não é difícil de acontecer), o próximo vento forte pode ser fatal 


O caso é que a Prefeitura faz vista grossa e parece não se incomodar com a situação. São tantos os casos em Curitiba diariamente, e a gente fica sabendo de algum tipo de punição? Nós pelo menos, não! E, para piorar, além de deixarem essa crueldade acontecer livremente, também não observamos técnicos fazendo análise de árvores que já estão condenadas e que de alguma forma podem oferecer perigo. Afinal, depois os meios de comunicação colocam a culpa somente no vento e na chuva. Fácil, não?

“Deve-se investir em diagnóstico, cadastro e avaliação das árvores. A primeira medida é ter um sistema de informação geográfica e contratar equipes para avaliá-las individualmente e abastecer o sistema com diagnósticos visuais. Após essa etapa, as piores árvores devem ser substituídas e as árvores com risco devem ser monitoradas por meio de equipamentos que mensuram ocos e problemas de raízes. A árvore é um ser. Ela tem que ser examinada periodicamente. Dá para fazer o diagnóstico, com avaliação visual, passando de carro pelas ruas a 40 km/h. Quando se verifica um erro na árvore, aí entra a avaliação técnica, com equipamentos de última geração, que identificam as falhas", afirma o agrônomo, Demóstenes Ferreira da Silva Filho, em matéria para o UOL.

De acordo com ele, falta conhecimento sobre as árvores, e os cidadãos podem e devem participar mais do trabalho de prevenção. "Há defeitos clássicos. Seria fácil a comunidade identificar visualmente." 

como as pessoas não estão preocupadas com a saúde das árvores,
pois não foram acostumadas a isso, acabam não notando algum tipo de problema ou doença. A consequência a gente pode ver!


O caso é esse: desinteresse da Prefeitura de Curitiba e desinteresse do cidadão, o qual, muitas vezes, por total falta de conhecimento, nem pensa sobre o assunto, e as consequências assustadores aparecendo a toda hora. E a tendência é piorar, pois sem árvores, além do vento se tornar ainda mais devastador, todo o meio ambiente fica desregulado.

Até quando viveremos assim, colocando a culpa da natureza e nos ausentando do problema? Uma árvore precisará cair na cabeça de quantos para que alguma coisa seja feita?

Por sorte aqui, pelo jeito, não houve acidentes materiais e nem, o que seria pior, a queda dessa árvore em cima de alguém, como uma criança ou idoso, por exemplo. Mas essa não foi a primeira e nem a última chuva com vento forte em Curitiba. Como serão as próximas?


E assim vamos seguindo. Preocupados com os rumos que as coisas estão tomando...

Até logo!

*crédito das fotos: Gazeta do Povo e Tribuna do Paraná

terça-feira, 14 de março de 2017

Árvore não é poste! Corte suas raízes e ela pode acabar caindo na sua cabeça!

Olá pessoal,

Já ouviram falar sobre as árvores da espécie “Poste”? Pois é, a gente também não! Porém, existem pessoas que acreditam que elas existem e se sustentam como o concreto no chão, não necessitando de suas raízes para permanecer em pé. Absurdo, não? Mas é a pura realidade!

Esse foi o caso de uma árvore, a qual sofreu poda drástica de suas raízes em plena luz do dia, por alguém obviamente não habilitado, e a mando de uma “cidadã”, que em sua completa ignorância, achou que tirando as raízes da calçada da forma como foi feito, haveria chances da árvore sair ilesa. Ou não! Pois assim, suavemente, dia após dia, ela vai padecendo até cair e morrer.

O problema é que, no “belo dia” em que a queda acontecer, pode ser que um acidente aconteça. Se a árvore não cair na cabeça de quem a cortou, pode vir a machucar qualquer pessoa, seja uma criança, um idoso, ou também destruir bens materiais de terceiros.


A seguir vocês podem conferir as fotos e também um vídeo dessa “poda”, ou diríamos massacre, a qual foi documentada por um vizinho que, indignado, entrou em contato com o Vândalo Verde. A crueldade da vez aconteceu na Rua José Merhy, 1254, no Bairro Boa Vista, em Curitiba. Um detalhe importante: o “serviço” foi feito justamente no sábado, quando não há fiscalização. Será que de forma proposital? Não temos dúvidas disso! 

Aqui vocês assistir um pouco do massacre, o qual foi conferido de "camarote" pela dita cidadã: https://www.youtube.com/watch?v=lIwnpxfUHoY

E eis as fotos: 






Já falamos sobre os perigos da poda de raízes em um post anterior aqui no Vândalo Verde. Nele, a pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam), da Unicamp, Dionete Santin, que concedeu entrevista ao site G1, explicou que “uma poda que compromete mais de 50% das raízes, que as retira com um corte vertical sem estudo prévio de planta, pode comprometer sua estrutura”.

Além disso, ela explicou que a queda da árvore comprometida pode levar anos, em função de sua pseudo-sustentabilidade, porém essa pode cair durante qualquer ventania ou chuva, ocasionando possíveis acidentes, até mesmo graves. Para quem quiser conferir o post na íntegra, segue o link: http://www.vandaloverde.com.br/2015/02/cuidado-ao-podar-raiz-de-uma-arvore.html

E, só para deixar a situação um pouquinho pior, gostaríamos de dizer que essa “cidadã”, a qual acha que a árvore é poste, foi a mesma que, há mais de três anos, fez um abaixo assinado para derrubar uma árvore da espécie Tipuana, a qual, após várias tentativas de salvamento pelo Vândalo Verde, acabou sendo retalhada por funcionários da Prefeitura de Curitiba. Vejam a matéria: http://www.vandaloverde.com.br/2013/08/mais-uma-vez-natureza-perde-tipuana-e.html

Até quando a natureza vai perder para a ignorância de alguns? É engraçado, pois é tanta covardia com aqueles que não podem se defender, seja uma árvore, uma criança, ou qualquer ser indefeso. Quanta crueldade, insensibilidade, falta de noção de que todos somos um só e dependemos de outras vidas para seguir a nossa. E as árvores, como sabemos, são de extrema importância nesse ciclo.

Mais uma vez nos despedimos tristes e indignados. Faça sua parte, nos ajude a relatar aqui esse tipo de caso e também nos mostrar finais felizes para a natureza. Contamos com vocês. Até logo!



sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Assassinato autorizado: Araucária de 20 anos é morta com autorização da Prefeitura de Curitiba


Olá pessoal,

Infelizmente iniciamos o ano com péssimas notícias. Uma moradora do bairro Ahú, chamada Larissa, nos procurou totalmente indignada e triste para contar sobre o assassinato autorizado de uma Araucária de 20 anos (isso mesmo, 20 anos!) situada na residência de seu novo vizinho. De acordo com Larissa, no dia 27 de dezembro de 2016 ela ouviu um barulho de motosserra e no mesmo momento foi verificar o que estava acontecendo. A princípio imaginou de tratar de uma poda, porém o pior estava acontecendo: a árvore, situada na Rua Paulo Recke, 325, esteva sendo morta cruelmente.

De acordo com Larissa, assim que percebeu que a Araucária estava sendo cortada, ligou imediatamente para a Prefeitura, além da Secretaria do Meio Ambiente, Instituto Ambiental e até mesmo IBAMA, porém como nessa época do ano os órgãos municipais e estaduais encontram-se em recesso (como se não houvesse trabalho no período!), a moradora conseguiu contato somente com um escrivão da Prefeitura e da Delegacia do Meio Ambiente, mas mesmo assim não havia viatura disponível e foi solicitado a ela que entrasse em contato no dia 02 de janeiro. Como assim? Depois que o pior já tivesse acontecido, como de fato aconteceu?


Vendo que dessa maneira não conseguiria resolver a situação, Larissa resolveu tirar algumas fotos, e quando o funcionário da empresa responsável pelo corte percebeu, ela avisou que havia realizado a denúncia. Vejam o caminhão cheio de galhos e folhas da Araucária:


Além desta imagem, a moradora também nos enviou essas de quando a árvore quando ainda estava viva e depois da crueldade realizada.

Aqui, a árvore estava  sadia, linda e exuberante:




Já nessa foto vê-se a crueldade já realizada. Só restava o tronco, já sem possibilidade de vida e que também, por fim, foi cortado:


Voltando ao ocorrido, depois que Larissa avisou o funcionário de que havia feito a denúncia, o dono da residência, o qual solicitou o corte, foi até a casa dela (que ficou sabendo que, por não saber exatamente quem era, bateu de portão em portão até descobrir o denunciante) e, bastante nervoso, começou a dizer que a moradora não sabia com quem estava falando, que estava gravando a conversa e que havia autorização para o corte.

Questionado sobre os motivos para tamanha crueldade, o vizinho alegou que se tratava de uma árvore velha, com cupim e que estava podre. E que, além disso, havia o laudo de três técnicos da prefeitura. Porém, de acordo com Larissa, a qual é bióloga, a árvore, a que ela viu crescer, tinha 20 anos e estava totalmente sadia , ou seja, não havia motivos para sua morte. Outro fato bem importante e que Larissa nos relatou é de que o tronco da árvore foi aproveitado pelo vizinho e até mesmo pela sogra dele. Uma árvore com cupim e “podre”, como ele disse, seria “aproveitada” para uso próprio? Obviamente que não! Se ela estivesse realmente doente não haveria condições de uso.

O desfecho da conversa foram ofensas à moradora e até a sua mãe, uma senhora de idade, feitas pela esposa do vizinho, a qual se identificou para Larissa como procuradora da Prefeitura de Curitiba. Assim que soube disso, não foi difícil imaginar de que forma o casal teria conseguido a autorização para o corte, não é mesmo? E é justamente essa a desconfiança de Larissa, a de que o cargo de sua vizinha a ajudou a conseguir o laudo dos três técnicos para uma árvore sadia de 20 anos, a qual a moradora viu crescer.

Mais uma vez (e quantas mais?) nos deparamos com um total descaso com a as árvores e o meio ambiente. Se estiver atrapalhando é só matar, acabar com o “problema”. E, nesse caso, uma linda Araucária. Símbolo da cidade. E, além do mais, segundo Larissa, a qual é bióloga, como já citado, em setembro de 2016 o Instituto Ambiental do Paraná – IAP anunciou nos meios de comunicação que nenhuma Araucária poderia ser cortada no Paraná até janeiro de 2017, mesmo com autorização. Confira link de matéria do jornal Gazeta do Povo sobre o assunto: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/corte-de-araucaria-esta-proibido-ate-2017-8cme050kdth3uvb9p1lbs4fq8

Mas, como sabemos e tantas vezes foi relatado aqui, a Prefeitura de Curitiba não se importa muito em conceder autorizações para o corte de árvores, aliás nos parece que quanto menos galhos e folhas para “incomodar”, melhor para eles! Porém eles esquecem que fazem parte de um coletivo, e que as árvores são essenciais para a vida, ao contrário do concreto. Esperamos que com a troca de prefeito se troque também a mentalidade dos funcionários viciados em corte. Pois a situação até o momento é realmente lamentável e entristecedora!





quinta-feira, 9 de junho de 2016

Paineira Rosa x Estacionamento

Quem ganha a disputa entre o progresso e a natureza?
tronco totalmente circundado a golpes de machado.

Claro que é o 'progresso' o ganhador!
No terreno baldio da av. Paraná, ~358, uma Paineira Rosa, espécie nativa, foi cortada quase em sua totalidade e deixada para morrer.
Exemplo incoerente com a vizinhança, uma igreja ao lado tem a árvore mãe, linda e enorme, como simbolo da vida que ela trás e ao fundo também é possível ver a frondosa árvore que adornar o condomínio dos fundos.
Visão da árvore tombada ao fundo e espaço 'remodelado' para dar espaço a carros.

Aparentemente para dar espaço ao escritório de advocacia ao lado, do numero 326. Se o escritório não está usufruindo do terreno pelo menos está sendo relapso em não denunciar tal crime.

Ainda pode ser vista a árvore 'verde' e com seus frutos, muito apreciados pelas 'maritacas'.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Curitiba, a “capital ecológica”, mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original

Olá pessoal,

Há vários anos escutamos a Prefeitura de Curitiba designando nossa cidade como a “capital ecológica”, inclusive em seus slogans. Essa propaganda pode até ter se sustentado por um período (muito breve) entre os curitibanos, mas o tempo e as atitudes dos nossos governantes foram nos mostrando a verdade, totalmente ao contrário do que é pregado por eles.



E hoje temos mais uma prova disso, repercutida em uma matéria do jornal Gazeta do Povo, publicada no mês de novembro. A reportagem mostra uma triste realidade, que chegou a nos deixar de “estômago embrulhado”: Curitiba mantém somente 1% de sua Mata Atlântica original e seu desempenho é o pior entre as capitais. Esses e outros dados fazem parte do Atlas de Remanescentes Municipais, divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica. Confiram a notícia na íntegra: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/curitiba-tem-so-1-de-sua-mata-atlantica-original-a-pior-situacao-entre-capitais-7v3di08mebfq5lnbizekbaomm

E agora Prefeitura, diante de um dado como alarmante como esse, vocês ainda acham possível continuar sustentando essa mentira a respeito de Curitiba? Até quando vocês pensam que vão continuar enganando cidadãos curitibanos, brasileiros e até estrangeiros? Chega de tanta hipocrisia!

E o que é pior: já temos tão poucas árvores (que por enquanto estão salvas de tamanha crueldade e ignorância), e vocês diariamente cortam a maltratam as que ainda restam. São tantas histórias, tantas denúncias, que sentimos medo pelo futuro das próximas gerações. 

Porque se a situação continuar dessa forma, e a tendência é de que continue, vai faltar oxigênio para respirar. Aí será questão de vida ou morte. Nesse caso com certeza a segunda opção. Mas parece que nossos governantes não percebem isso, algo chamado o dinheiro os cegou. E quem paga somos nós e elas, as árvores, tão indefesas e ao mesmo tempo tão necessárias para nossa sobrevivência.

Até logo. 






quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Enorme área verde prestes a ser devastada: e a Prefeitura de Curitiba autorizou!


Olá pessoal,

Pois é, cada vez mais nos convencemos de que o ser humano está se tornando alguém que “esqueceu” que depende de outros seres para sobreviver e, entre eles, estão as árvores. Como vamos respirar daqui há um tempo, quando só houver concreto? Porque o caminho que está sendo trilhado é exatamente esse. Cada vez mais vemos prédios, construções, devastação e morte. 


Hoje estamos aqui para mostrar uma enorme área verde, situada no bairro Santa Cândida, que está prestes a ser devastada em função da construção de um condomínio de prédios. Pelas imagens do Google Maps e pela maquete do empreendimento, que encontra-se na placa, podemos ver o tamanho da área verde que será extinta:




Os moradores da região estão indignados e relataram a existência de “esquilinhos”, tucanos, e outras espécies pouco comuns no bosque. Mas é claro que isso não tem valor diante de um prédio e do dinheiro que ele trás aos políticos corruptos e empresários sem escrúpulos! Afinal, os animais que se mudem...e as árvores, tanto faz para eles, não é mesmo? Na verdade cada vez mais mostram que quanto menos verde, melhor.

Afinal, como a Prefeitura de Curitiba concedeu um alvará de construção, sabendo dessa enorme área verde que será cortada? De que forma a construtora conseguiu essa aprovação? Muito estranho, não? 

Segundo o arquiteto, Luis Gustavo Loewenthal, "a média de potencial construtivo em um terreno é de em média 30% da área verde total”. Mas como podemos ver perfeitamente pela maquete não é isso que acontecerá. Então podemos supor que o dinheiro realmente fala mais alto e que tudo se consegue com ele, até mesmo matar cruelmente diversas árvores sadias.

Triste, não é mesmo?

Vejam o tamanho do bosque em que haverá a construção. Imaginem quantas vidas moram lá. Não tem como não sentir indignação, tristeza e raiva desses seres humanos que estão perdendo a sua humanidade.

Até mais. ):



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Parabéns, Prefeitura e Copel! Vocês conseguiram matar mais uma árvore!

Olá pessoal,

A Prefeitura de Curitiba, juntamente com a Copel, continua realizando suas “eficientes” obras em relação ao nosso verde. Pois é, conseguiram matar mais uma árvore, situada na Rua Ludovico Geronaso, 958, Boa Vista (será que fizeram alguma comemoração? porque estamos convencidos de que, para eles, menos árvore é sinal de menos incômodo).

Mais uma vez, em função de sucessivas podas drásticas - que, voltamos a frisar, contribuem para a morte prematura das árvores por deixá-las expostas a doenças ou ao seu desequilíbrio até caírem – uma árvore que um dia foi frondosa, morreu. Sim, os “profissionais” contratados realizaram seu dês-serviço da melhor forma: a mataram de forma cruel e sem a menor preocupação.


Vejam como ela estava em 2014, já bastante debilitada após tantos cortes:



E há poucos dias a fotografamos novamente, cheia de pragas e já sem forças para rebrotar. Os galhos que um dia foram grossos e fortes foram amputados sem a menor piedade e, daqui uns dias, nem seu tronco estará mais no local, pois como está “doente” (e não poderia ser diferente depois de tanta barbárie), é melhor cortar de vez (assim pensam eles). Quanta tristeza!


Reparem no estado da árvore ):

Qual a conclusão que vocês chegam a respeito dos motivos que a Prefeitura e a Copel teriam para tanta crueldade? Acreditamos que um dos deles é a economia com a manutenção, afinal assim não precisam mais se preocupar com cuidados e podas que não danifiquem as árvores. Aliás, eles sabem que isso existe?

Até mais. 





terça-feira, 17 de novembro de 2015

A árvore que virou poste: novidade em Curitiba

Olá pessoal,

Quando acreditamos que nada pior pode acontecer em relação a falta de respeito com as árvores de Curitiba, somos surpreendidos com uma novidade: agora eles cimentam raízes para verificar se elas viram postes! 

Confiram essa maravilhosa inovação:



Essa árvore (para quem quiser ver de perto a novidade), está situada na Rua Padre Anchieta, próximo ao número 1918. É possível que, além dela, outras também estejam sendo “cultivadas” para se transformarem em concreto. Como acreditamos que essa obra é da nossa Prefeitura e eles gostam do cinza, pois não querem ter trabalho com o “verde”, é provável também que essa ação também tenha se espalhado por outras regiões da cidade.


De repente se passarmos por lá, as árvores ao lado também já estão cimentadas


Brincadeiras à parte, sabemos que o destino dessa árvore é a morte. Se essa obra foi realizada pela Prefeitura de Curitiba (ou por quem quer que seja!), mais uma vez questionamos a competência desses “profissionais” em relação ao cuidado com o meio ambiente. Logicamente que se a árvore ficar sem os nutrientes que vem da terra, pois foi encoberta por cimento, ela morrerá. “A cimentação do solo em torno da árvore e de suas raízes impede a irrigação e a absorção de nutrientes, o que pode vir a causar podridão do colo (base junto ao solo) e tombamento da mesma”, afirmou o engenheiro agrônomo da Biovert, Magno Vargas, em entrevista para O Globo.

E aí, quando estiver completamente sem forças e cair em cima de um carro e de um pedestre, eles poderão ainda dizer que “a culpa” foi da própria árvore. Afinal, é isso que eles querem!

Além disso, ao tentar lutar pela vida, a raízes vão acabar quebrando o cimento. De acordo com Vargas, “toda raiz possui crescimento preferencialmente para baixo, mas ao encontrar qualquer barreira, cresce para o lado e para cima, estourando as calçadas”.  

A árvore irá tentar respirar e, mais uma vez, será considerada vilã por ter “danificado a cidade”. Parece piada, não? Antes fosse, mas é a pura realidade da nossa cidade e de tantas outras.

Prefeitura de Curitiba, vocês não sabiam disso? Ou acreditam realmente que árvores pode virar postes como vocês tanto almejam? Respondam pra gente!






domingo, 8 de novembro de 2015

Árvores da Lapa pedem socorro: mais uma morte em série está para acontecer?

Olá pessoal,

Hoje estamos aqui para denunciar a possível morte de diversas árvores situadas em uma avenida da cidade da Lapa, no Paraná. Ficamos cientes da situação a partir da postagem de uma moradora de lá, chamada Luciana, em uma mídia social.

Entramos em contato com ela e soubemos que teve essa informação a partir do comentário de um funcionário da prefeitura local, chamado Felipe, na mesma mídia. Inclusive tivemos acesso a fala do funcionário, salva em printscreen por Luciana, segundo ela, tamanha foi sua indignação.

Em uma foto da avenida toda arborizada, ele disse que “embora bonita visão, parte dessa beleza será trocada, pois no tempo que se plantou tais árvores não se fez estudo do impacto do crescimento das mesmas e se havia possibilidade dessas terem raízes aéreas que não iriam respeitar e que o homem acha que pode domar e o resultado se vê nos calombos criados na via por causa das raízes...a troca deve ocorrer por espécies que não tenham tal comportamento. Outra necessidade da troca é o fato de que muitas árvores estão condenadas mediante os parasitas que sugaram os nutrientes que ela precisavam e as fez apodrecer, causando perigo a quem passe por elas...”


Vejam a avenida e as árvores em questão:



Parece a vocês que elas estão “atrapalhando” em alguma coisa? Pelo menos nas imagens postadas pela moradora, não há raízes danificando calçadas (até mesmo se tivesse, não seria justo, por falta de estudo de impacto, ou seja, falha da Prefeitura, matar tantas árvores de uma vez) nem fiações elétricas, nem mais nada que “justifique” os cortes.  As árvores parecem doentes de alguma forma?

Acreditamos que não houve estudo que justifique doença ou algo similar nas árvores, já que isso o funcionário da Prefeitura não citou. Então, mais uma vez, imaginamos que as desculpas mais esdrúxulas são inventadas simplesmente pela vontade de “trocar a beleza”, como ele citou, por árvores mais novas, por exemplo.

Pela forma que ele falou, se vê que não há nenhuma preocupação com a vida, com os muitos anos em que essas árvores beneficiaram e continuam beneficiando os cidadãos, como se esse tipo de beleza pudesse ser trocada como um objeto qualquer.

E, para levantar ainda mais a suspeita dos possíveis cortes, nos últimos dias a Prefeitura iniciou um serviço de poda no local, como vocês podem ver na foto abaixo. Seriam mais podas drásticas, que resultariam em doenças e assim a Prefeitura estaria ilesa de qualquer crítica?




“Se procede a informação de que essas árvores serão cortadas por oferecer perigo aos transeuntes ainda não confirmei, mas se for isso mesmo, vão fazer uma falta danada. Nem imagino a avenida sem elas”, comentou Luciana, que mora na Lapa desde que nasceu. Assim como ela, diversos cidadãos comentaram a respeito, mostrando tristeza e indignação em relação a possível morte das árvores. Esperamos sinceramente que a Prefeitura os respeite, respeite e repense a respeito desses cortes, já que essas árvores são SERES VIVOS (sim, Prefeitura, elas tem vida!) e não merecem morrer assim.

Vamos informando vocês e torcendo para que essa situação não tenha o desfecho que imaginamos. Até mais!